domingo, 14 de maio de 2017

Nossa mídia brasileira jaz em trevas

Manipulação do Jornal Nacional repete 1989 e edita “debate” Lula x Moro
                 Era 1989 e as eleições estavam acirradas para presidente e o segundo turno o então ex- metalúrgico Luis Inácio Lula da Silva enfrentava o então caçador de Marajás, Fernando Collor de Melo. Enquanto Lula liderava e tinha tudo para ser eleito presidente, a mídia brasileira começava a manipular e mexer os pauzinhos para impedir o petista de vencer a disputa.

                 O estopim de tudo se deu no último debate entre os dois presidenciáveis, como a maioria das pessoas via os melhores momentos no Jornal Nacional, houve uma edição, com o objetivo de depreciar a imagem do barbudo e elevar a imagem do alagoano.
                 Isso quem mesmo confessou, foi Boni, um ex-chefão da Globo. Primeiro a emissora dos Marinhos preparou Collor, ajeitou a gravata dele, tirando ela, para ele parecer mais populista. E então o diretor sagaz fez pior, ele colocou pastas vazias na mão de Fernando, mas que na época se pensava conter denúncias contra Lula, o que deixou o ex-metalúrgico em pânico e tenso, o prejudicando no desempenho do debate. As imagens depois mostradas no Jornal Nacional traziam Lula suando e Collor tranquilo, o que influenciou na votação alguns dias depois como todos sabem.
                 A Globo como sempre, agora em 2017, agiu. Para quem acompanhou partes do depoimento de Lula a Sérgio Moro, na quinta-feira no âmbito da Operação Lava Jato, disponíveis logo em seguida no mesmo dia em canais do You Tube, pode ver momentos de tensão nas perguntas do juiz, que muitas vezes fugiu do “corpo” da acusação, que se restringia ao Triplex do Guarujá, procuradores perguntaram sobre nomeação na Petrobrás quando Lula era então presidente, fato questionado pela defesa do ex-presidente.
                 A Carta Capital trouxe uma explicação da edição do Jornal Nacional, que geralmente em sua edição diária gasta 30 minutos, teve uma exibição não habitual de 53 minutos e 18 segundos, 42 minutos e 32, foram gastos com matéria sobre Lula, ou seja, 80% do Jornal.
                 A matéria começa com Bonner mostrando a fala de Moro dizendo que ele não tinha nada contra Lula. Depois mostra Lula negando a responder perguntas sobre o sítio de Atibaia e Moro dando uma repreensão a Cristiano Zanin, advogado de defesa de Lula.
                 Vasconcelos, fala que Lula se contradisse, ao dizer que recebeu Léo Pinheiro e Paulo Gordilho em sua casa para discutir reforma do sítio que ele insiste não ser dele. Lula aparece atacando o MP, por induzir as testemunhas a acusá-lo sem provas.
                 A edição do Jornal Nacional mostra Lula negando que seja dono do Triplex e Moro confrontando o ex-presidente com a afirmação do ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro, uma desqualificação dos argumentos de Lula e a fala de Moro como corajoso.
                 Sobre as nomeações da Petrobrás, Willian Bonner, aparece com um tom de voz irônico, como que indicando que Lula estava mentindo. E por aí continua a edição do principal jornal da TV Globo. Quem saiu às ruas para conversa com as pessoas depois dessa exibição pode constatar as pessoas com ódio na fala contra Lula, um ódio já habitual, mas agora com o argumento de que Moro deu um baile no ex-presidente e colocou-o nas cordas. Ai vem à pergunta, como você sabe disso meu camarada?

                 Eu perguntei a um policial militar, meu colega, que disse que Lula perdeu e descreveu fidedignamente, como tinha passado no Jornal Nacional, dava para ver que ele tinha assistido o noticiário pela Globo.
                 Depois vieram a repercussão geral da mídia, sendo contraria a Lula. No próprio O Globo, o prefeito de São Paulo, João Dória (PSDB) aparece dizendo que o depoimento de Lula é lamentável e chama o ex-presidente de ator e mentiroso. Outra fala repercutida foi do procurador da Lava Jato, Carlos Fernando Lima dizendo que foi um tanto triste o Lula falar sobre sua ex-esposa a responsabilizando pelo desejo de adquirir o Triplex, pois não estava lá para se defender.
                 Eu vi a fala de Lula sobre Marisa e não havia tom de Lula em querer jogar a culpa na sua mulher, já falecida, pelo contrário ele apenas narrou os fatos como aconteceu e que Marisa, queria comprar o imóvel, mas no fim desistiu. Pior, foi a “Lojas Marisa” que em campanha do Dia das Mães ironizou a ex-primeira dama. “Sua mãe ficar sem presente, a culpa não é da Marisa”.
                 Enquanto dentro do nosso Brasil a manipulação da Globo atingiu a massa odiosa e desinformada, a mídia estrangeira repercutiu de outra forma. O britânico The Guardian mostra que Lula condenou a perseguição a que está sendo submetido. O repórter Dom Philipps destaca o esquema de segurança forte em Curitiba e milhares de simpatizantes no comício de Lula, logo após o depoimento.
                 No Le Monde, a correspondente Claire Gatinois falou que Lula foi combativo e que se disse vitima de caçada judicial. Na Reuters, mostra o juiz dizendo que faria perguntas difíceis e que Lula disse “Não há perguntas difíceis, senhor. Quando se fala a verdade”.
                 Eu sugiro a você que quer saber como foi realmente o depoimento de Lula completo, que acompanhe na integra, para tirar suas próprias conclusões e não seja manipulado pela Globo, seja inteligente estude, vá atrás de outras fontes.
                 O nosso jornalismo é feito pelas elites e para se manter no poder ela faz de tudo. A Operação Lava Jato que há pouco mostrou uma lista recheada de políticos importantes como beneficiários de propina. Do PSDB, Aécio Neves, José Serra, Alckmin, Anastácia, do PMDB, Romero Júca, Eunício Oliveira, Temer, outros, mas você como a mídia só liga para o PT e Lula.

                 A corrupção endêmica se alastrou por todos os partidos e Moro e seus aliados, só se preocupam com caixa 2 para o PT, mas já foi provado, que caixa 2 atingiu, todos os partidos e que foi um meio de propina que as empresas, principalmente a Odebrecht viu, para ter benefícios de tocar obras públicas.

Veja Mais:


Lula e o massacre do Jornal Nacional

Postar um comentário