Páginas

sábado, 6 de maio de 2017

Gildo pernambucano: Maior ídolo do Ceará Sporting Club


Bom dia, Boa tarde, Boa noite! Meu nome é Carlinhos Alves, direto de Fortaleza chegamos a sua casa, com o FutCearaCast. Um podcast que fala de futebol, de história, de notícias dos clubes, de entrevistas e demais curiosidades do futebol cearense.
Hoje vamos falar sobre um pernambucano que foi ídolo do Ceará Sporting Club

       Era uma quarta-feira dia 09 de março de 2016, os olhos de Gildo Fernandes de Olivera se fecharam para o mundo e sua vida se abriu para ser história. Foram 264 gols com a camisa do Ceará e tudo começou justamente contra o seu time vestindo a camisa do Santa Cruz, onde enfrentou o alvinegro de Porangabussu.
            Foi no time pernambucano que começou nas categorias de base, sendo negociado com o Vasco da Gama, mas acabou retornando. Nascido em 1940 em Recife, o jogador teve passagens ainda pelo América (SP) e Calouros do Ar.  
            Quando veio ao Vozão o preço dele era baixo, devido a problemas no joelho. Foi tricampeão cearense pelo clube entre 1961 e 1963, sendo artilheiro duas vezes, com 15 e 16 gols respectivamente. Depois de boa campanha que o levou ao interior paulista, chegou a ser cogitado pelo Corinthians, mas a grave lesão no joelho direito o tiraria desse sonho de jogar por uma grande equipe do Sul.
            Um dos grandes feitos de Gildo foi o Norte/ Nordeste de 1969 em cima do Remo (PA), com um segundo jogo em que foi decisivo, apesar de sair contundido, mas fez o terceiro gol do alvinegro cearense que levou a terceira partida que depois o Ceará conquistaria o título do Norte e Nordeste.

            Como era alvinegro de coração não aceitou proposta de jogar no maior rival, o Fortaleza que o tinha convidado. Preferiu encerrar a carreira com 33 anos em duas temporadas no Calouros do Ar, mesmo depois de ser dispensado pelo Ceará.
            Ele havia sido campeão cearense outra vez em 1971 pelo Ceará quando não teve o contrato renovado. No Calouros do Ar chegou a enfrentar o seu ex-clube sendo ovacionado em um amistoso pela torcida alvinegra, quando tocava na bola. Em uma enquete do Jornal O Povo, ele foi escolhido como o melhor jogador de todos os tempos do Ceará.
            De acordo com um email enviado por Francisco Rangel Ao Que Fim Levou, do site do Terceiro Tempo, Gildo disse que, ficava feliz que os elogios da torcida não mudavam com o passar do tempo. E lembra um gol marcante que fez num Clássico Rei na primeira partida da decisão daquele ano, quando a partida ia para o empate sem gols e o goleiro do Fortaleza Cícero bateu tiro de meta na cabeça de Gildo: “Com a força do impacto eu cai no chão e até hoje nunca vi aquele gol” relatou o craque.
            Depois daquela vitória magra de um a zero, houve dois empates e no fim o título para o Ceará.
            Narração e edição: Carlinhos Alves, agradecimento a sua audiência e sua sintonia, abraço aos jogadores Pio e o paredão Fernando Henrique.
           
            Fonte:

            Terceiro Tempo: http://terceirotempo.bol.uol.com.br/que-fim-levou/gildo-1221



Postar um comentário