domingo, 22 de janeiro de 2017

Três conquistas inesqueciveis do Ferroviário ( 1968, 1970 e 1979)


Bom dia, Boa tarde, Boa noite! Meu nome é Carlinhos Alves, direto de Fortaleza chegamos a sua casa, com o FutCearaCast. Um podcast que fala de futebol, de história, de notícias dos clubes, de entrevistas e demais curiosidades do futebol cearense.
Hoje vamos contar a trajetória dos títulos do Ferroviário Atlético Clube de 1968, 1970 e 1979.

            Comandados por jovens engenheiros da RFSA, tendo a frente Elzir Cabral, na presidência, o Tubarão da Barra venceu o Campeonato Cearense de 1968 de forma invicta. 16 anos depois da última conquista. Foram oito equipes na disputa, entre elas, Fortaleza, Calouros do Ar, Ceará, Quixadá, América, Guarany de Sobral e Esporte Clube Messejana, que passou apenas um ano na primeira divisão cearense. Célio do Calouros, foi o artilheiro da competição com 9 gols.
            O Ferroviário venceu os dois turnos, com oito vitórias e seis empates. Foram destaques as vitórias de 4 x 0 em cima do Ceará, 4 x 1 no América e 4 x 2 no Messejana. A final aconteceu no dia 28/07/1968, num Estádio Presidente Vargas lotado, dividido entre as duas torcidas. O time coral era então treinado por Ivonísio Mosca e entrou em campo com a formação de Cavalheiro, Wellington, Flodoaldo (Luiz Paes), Gomes e Barbosa, Edmar e Coca Cola, Mano, João Carlos, Paraíba e Raimundinho (Lucinho). O Leão adversário formou, com Gilberto, William, Zé Paulo, Renato e Carneiro, Luciano Oliveira, Joãozinho e Ivan Frota (Fontoura), Croinha, Humaíta e Alísio. Com gol de João Carlos para o ferrão e Croinha para o Fortaleza, o jogou ficou 1 x 1, que deu o título ao Ferroviário.
            Entre os comentários dessa conquista Edmar ressaltou, “Foi uma festa memorável após a partida. Nunca vi nada igual. Era um grande time. Não perdemos para ninguém. Nós jogamos por música e tínhamos o suporte de uma diretoria cheia de gente jovem”. Outro que comentou aquela conquista foi o gaúcho Cavalheiro, “1968, foi um ano emblemático em todo país pela conjuntura social e política que vivíamos no país”.
            O jornal O Povo na edição da época, citou as festas que aconteceram depois da conquista nos dois grêmios ferroviários da cidade e a saída do campo de cueca do jogador Edmar.
            Era 21 de junho de 1970, no Azteca com 107 mil pessoas, o Brasil de Pelé e companhia se sagrava Tricampeão mundial de futebol, com o show de bola em cima da Itália, por 4 x 1.

            Quatro meses depois diante de 13 mil pessoas, no dia 07 de outubro, o Ferrão venceu por 3 x 1 o Guarany de Sobral, com gols de Alísio duas vezes e Amilton Melo vencendo o Campeonato Cearense pela quinta vez.
            O artilheiro de 1970 foi Paraíba, com 15 gols do Guarasol. Oito equipes disputaram a taça daquele ano.
            A formação base do time vencedor foi formada por Aluísio Linhares, Marcelino, Esteves, Luiz Paes, Hamilton Aires, Gomes, Eldo, Edmar, Coca Cola, Simplício, Amiltom Melo, Paulo Velozo, Alísio, Louro, Luciano Dias, Simão, Zezinho do bolo, Zé Luis, Mano, Uriel e Wilson. Técnico: Fernando Cônsul, Vicente Trajano e Alexandre Nepomuceno.
            Em 1979, nascia Carlinhos Alves, o criador do FutCearaCast esse programa que vocês estão ouvindo agora, jornalista e escritor. O Ferroviário conquistaria seu 6° título cearense, evitando o segundo pentacampeonato do Ceará Sporting Club. Foram 10 equipes na disputa, Paulo César da equipe coral foi artilheiro com 29 gols.
            Um dos destaques daquela equipe campeã foi o lateral Jorge Luis cobra, que vestiu a camisa do Ferroviário em suas passagens por terras alencarinas 106 vezes, era natural de Recife e jogava no homônimo do time cearense em terras pernambucanas. Sua estréia aqui, foi em 10/06/1979, quando venceram o Ceará por 4 x 2, depois veio a goleada duas semanas depois em cima do Fortaleza, 5 x 0. O lateral ficou no Ferrim até a temporada de 1981, jogou a Serie A pelo time coral em jogos contra o Flamengo (RJ), no Maracanã, o Sport (PE), na Ilha do Retiro e o São Paulo, no Morumbi.

            O time daquele ano de 1979, foi formado por, Cícero, Jorge Luis, Lúcio Sábia, Celso Gavião, Jeová, Ricardo Fogueira, Raulino, Terto, Paulo César, Jacinto, Babá, Edmundo, Jorge Henrique, Paulo Maurício, Ayala, Laércio, Zé Carlos, Arimatéia, Júlio, Doca, Jodecir, Nilsinho, Edson, Haroldo, Chico Alves, Dedé, Sérgio Luís, William, Paulinho e Giordano, treinadores: José Oliveira, Pedrinho Rodrigues,  Urubatão, Nunes e César Moraes.
Fechamento de todos os programas:
Narração e edição: Carlinhos Alves, homenagem a Iarley e Mário Jardel.
Fonte:



Postar um comentário