quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Distorção da realidade de Jobs ou crença no poder ilimitado

Muitas vezes na minha trajetória de vendedor de passeios pelas praias do Ceará, eu tive momentos de acontecer coisas quase que inacreditáveis. De uma hora para outra, depois de uma semana quase sem vender nada, um cliente derrepente comprava um pacote grande para Jericoacoara e eu faturava em um dia, o que passava a semana tentando e nem chegava perto.
Sempre isso acontecia quando na vespéra eu entrava em desespero para conseguir dinheiro para pagar as minhas contas. Um exemplo foi um dia que eu tinha que apurar R$ 400,00, pois no outro dia tinha o aluguel para pagar. E assim sai de casa em um domingo sabendo que não poderia falhar e foi o que realmente aconteceu. Numa sequencia de situações inexplicáveis, as vendas foram sendo feitas e no fim do dia eu estava com um pouco mais do que eu precisava.
Igual a essa situação, outras tantas foram se sucedendo nesses anos de trabalho com vendas na Beira Mar em Fortaleza. Eu confiava em Deus e me agarrava na fé de que tudo daria certo e realmente dava.
Tony Robbins e esposa

Nos últimos dias andei lendo Tonny Robbins e vi um documentário seu que ele está num seminário anual ajudando pessoas a encontrarem o caminho para auto-realização e também estou lendo uma biografia sobre Steve Jobs, que em breve estará o comentário disponível aqui no blog.

Mas citei essas duas figuras para falar do que eles mesmos nos mostram que no fim para mim acaba sendo a mesma coisa.
No caso de Jobs, seu "campo de distorção da realidade" que muitas pessoas criticavam, permitia que as pessoas chegassem a realizar coisas impossiveis. Ele cobrava da equipe de engenheiros e técnicos prazos loucos para terminar algumas das mais bens sucedidas descobertas da era da informática e no fim eles embarcavam nessa loucura e iam fazendo mesmo tudo isso e revolucionaram a computação.
Já Robbins nos conta sobre como ter uma crença no poder pessoal que temos e que nos tira o medo, as barreiras que nos impedem de chegar aos objetivos. Ele fala claramente de não limitar nossas habilidades e nossas metas. Eu aprendi com isso a não estabelecer uma meta do que eu preciso ganhar todo dia. Claro eu tenho a meta da semana, de coisas que tenho de pagar, mas essa semana fiquei nessa de não pensar quanto falta para concluir os pagamentos da contas, mas como eu tenho que apenas vender, sempre mais e atender melhor os clientes tirando suas dúvidas e fazendo um atendimento show de bola.
Na verdade na vida para a gente conseguir o que a gente quer devemos primeiro nos preparar, para quando a oportunidade aparecer, depois devemos ousar e tentar até acertar e nunca desistir. E arriscar com um planejamento, mas sempre acreditando na capacidade de que podemos chegar lá, depende do nosso esforço pessoal e de nossa crença que não existe limites para ir até onde queremos.
Um exemplo eu dou, quando eu tinha 18 anos e queria ser locutor de rádio, porque meu irmão era no interior e eu fiquei motivado em também ser. E depois de começar mal, com a voz para dentro e sem muita técnica resolvi fazer um curso de locução de três meses e fiquei em casa todos os dias treinando empostação de voz e quando foi um dia quando eu estava no estúdio de rádio da Liderança FM Comunitária, controlando a mesa de aúdio do professor Felipe e fui ler as propagandas, o dono da rádio ligou para saber quem era o dono daquela voz bonita e eu disse que era minha e ele me elogiou e se surpreendeu com isso.
Depois deixei um pouco de lado essa de rádio e fui trabalhar para sobreviver em outros ramos, mas entendi que isso é um resultado de vontade de vencer e que se cremos podemos tudo.

Postar um comentário