quarta-feira, 3 de agosto de 2016

JFK de Oliver Stone na Netflix filmaço de mais de 3 horas vale a pena ver

Já vi várias teorias da conspiração, sobre ETs, fuga de Hitler para Patagônia Argentina, entre outras que perpassam a imaginação humana. Porém essa história sobre a morte de Kennedy passa a ser a mais próxima da verdade, pois além desse filme li também em livros e outro documentário do mesmo nome que mostra os inimigos que o presidente tinha.

Ninguém sabe com certeza se foram à máfia, a CIA, os armamentistas, exilados anti Castro, o vice-presidente investigado por corrupção, ou ainda outros nomes que odiavam o homem mais poderoso do planeta, mas que como outros presidentes americanos não podiam fazer nada que as forças ocultas não permitiam.
Kennedy queria um acordo com Kruschev para o fim da guerra fria, o que deixou os que ganhavam com a venda de armas puto da vida. Já falei de mais sobre fatos que você pode vê assistindo o filme, mas o que posso dizer é que o que acontece aqui no Brasil, contra a presidenta Dilma Rousseff é uma verdadeira trama para tirá-la do poder.
Só quem é criança não percebe como as coisas coincidem aqui no Brasil, a escolha de Lula ministro da Casa Civil e no mesmo dia Sérgio Moro vaza áudios para toda a imprensa só como forma de inflama os ânimos, além de outros fatos bombásticos que se sucederam como forma de fragilizar o governo do PT.
As falas de Gilmar Mendes como se fosse à voz oficial do Supremo Tribunal Federal (STF) contra sempre os passos do PT, depois de jantares entre ele e lideres da oposição, uma atitude no mínimo suspeita.
O filme JFK – A pergunta que não quer calar (1991) direção: Oliver Stone, conta com Kevin Costner, Tommy Lee Jones e mostra um promotor em busca de fatos que comprove que a participação de Lee Oswald foi algo além de ser dado como atirador solitário que assassinou o homem que brigava pelos direitos humanos, mas fazia parte de uma trama que envolvia muito mais gente e que encobria jogo sujo, que ainda hoje não foi totalmente aberto ao cidadão americano.

















Postar um comentário