terça-feira, 28 de abril de 2015

Carlomano Marques cobra investimentos em saúde no Estado do Ceará em pronunciamento na Assembleia Legislativa

Dep. Carlomano Marques (PMDB) Dep. Carlomano Marques (PMDB) Foto: Máximo Moura
 O deputado Carlomano Marques (PMDB) ocupou a tribuna, durante o segundo expediente e no tempo de liderança da sessão plenária desta terça-feira (28/04), para criticar a precariedade no atendimento de saúde no Estado e cobrar investimentos para o setor.
O parlamentar lembrou o caso levado ao Plenário pela deputada Dra. Silvana, de uma paciente com um tumor intracraniano, e que aguarda atendimento numa fila. Ele lamentou o tratamento dispensado à deputada pelo secretário de Saúde, Carlile Lavor, quando procurado para tratar sobre o assunto. “Conheço o secretário há muito tempo, mas você ver chegar alguém falando de um paciente com tumor intracraniano e ele dizer que ‘é isso mesmo’ não é normal, não parece o mesmo que conheci. Quem embrutece dessa forma não pode ser secretário de Saúde”, afirmou.
Carlomano cobrou do Governo Estadual o repasse para hospitais dos R$ 23 milhões aprovados em mensagem na Casa, no final de 2013. Os recursos, segundo ele, seriam destinados à rede privada para pagamento de cirurgias eletivas realizadas em pacientes do Sistema Único de Saúde, como forma de desafogar as filas na rede pública. “A questão de saúde pública no Ceará não é só financiamento, mas financiamento e também gestão”, opinou.
O peemedebista também criticou a aprovação pelo Senado e a sansão pela presidente Dilma Rousseff do aumento dos recursos do fundo partidário, enquanto a saúde enfrenta dificuldades com falta de profissionais e remédios.
“A presidenta Dilma diz todo o dia que tem dificuldades de caixa. Estamos numa situação difícil e não tem sentido o senador Romero Jucá (PMDB-PE) aumentar o fundo partidário e não ter dinheiro para saúde. Tem gente que nem sabe o que significa o fundo partidário. Se a população soubesse que o sofrimento do seu filho tem a ver com a falta de dinheiro ficaria furiosa”, disse.
Para o parlamentar, a popularidade dos políticos anda em baixa devido a crise macroeconômica e até o vice-presidente Michel Temer, do seu partido, foi vaiado quando substituía a presidenta em uma atividade de governo. “A presidente não fará pronunciamento no dia 01 de maio por causa dos panelaços. Ela é vaiada não porque é ruim, mas por causa do que as pessoas sofrem com a falta de dinheiro, por isso que esse aumento no fundo partidário não tem sentido” enfatizou.
Preocupado com a situação da saúde, Carlomano informou que o senador Eunício Oliveira (PMDB-CE) solicitou à presidente Dilma que metade dos valores destinados a parlamentares, no Orçamento Impositivo aprovado em março, fossem aplicados na saúde.
Em aparte, a deputada Dra Silvana disse se sentir contemplada na fala de Carlomano. “O senhor já era um homem de grande conceito para mim e agora cresceu mais essa minha admiração por sua maneira de agir”, afirmou.
CE/CG

Texto original Aqui
Postar um comentário