segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Vitória sim, desforra não

Lá estava eu, há mais de dez anos atrás sentado numa cadeira, no meio de jovens carentes do Conjunto Palmeiras ouvindo as palavras de um palestrante marxista, que dizia que o filho do pedreiro sempre seria pedreiro e o filho do advogado, sempre seria advogado por causa do sistema capitalista.
Dois governos Lula e um da Dilma depois, a realidade mudou. O filho da lavadeira, do cozinheiro, do vigia, hoje está formado em medicina, engenharia e tantas outras profissões.  
Eu não entendo é o porquê do ódio que as pessoas que votaram no adversário de Dilma têm das pessoas que reelegeram nossa presidente. Afinal ela é a governanta de uma nação e vai tratar todos de maneira igual.
Admito que esses dias foram muito tensos para mim, porque se a vitória da Dilma parecia garantida no começo da semana, na quinta a noite, com as denuncias infundadas da Veja, a virada de Aécio Neves (PSDB) parecia acontecer, mas a virada não ocorreu.
Primeiro de tudo quem votou no Aécio, a maioria era mesmo gente rica e do Sul/ Sudeste e quem votou na Dilma a maioria era mesmo Norte/ Nordeste, mas em cada um desses locais seja São Paulo, Pernambuco, teve a menor parte que votou no outro candidato, seja Aécio ou Dilma.
Ontem à noite na Avenida da Universidade em Fortaleza, a expectativa de todos era grande. Quem seria o candidato eleito, faltavam 13 minutos para 19h e o telão que transmitia a GloboNews estava mostrando os eleitos para governador e houve uma comemoração quando anunciou a vitória de Camilo Santana (PT) para governador do Ceará.
A multidão vermelha estava ali, com medo de algo pior acontecer. Eu estava com o celular na mão e vendo os sites que diziam que a Dilma ganharia pela boca de urna Vox Populi e pela pesquisa interna do PT, mas ninguém sabia ao certo se isso era verdade, pois as internas do PSDB davam a vitória para Aécio Neves.
Quando às 19h horário de Fortaleza, o telão apareceu a Dilma com 50,9% a 49% sobre o candidato Aécio Neves, o coração ficou apertado e a emoção tomou conta de todos ali. Eu ao lado do meu irmão e de um amigo do PT. E cada nova contagem da totalização dos votos a ansiedade para o resultado final.
Tinha cerca de 95% das urnas apuradas, quando o nome da Dilma ficou verde e estava matematicamente reeleita a primeira mulher presidenta do Brasil.
foto: Carlos Emanuel festa da vitória 13 Dilma

Foi uma noite de beber, dançar ao som de Dona Zefinha e Leite de Rosas e os Alfazemas (com muito brega) e se divertir, mas aquele peso parecia estar ainda ali, a ficha estava longe de ter caído. Só hoje de manhã com aquela ressaca, que realmente pude ir sentindo as mudanças com o noticiário nacional e internacional destacando a vitória do PT.
É a quarta eleição seguida que o PT vence o PSDB para presidente da República. Hora de estar ao lado da presidente para que ela possa fazer a reforma política, concluir as obras da integração do Rio São Francisco e Transnordestina.

Só mesmo triste por continuar sofrendo pancadas na internet devido as minhas opções políticas, como meu “amigo” Rogério que me acusou sem nem viver comigo e saber minha realidade de que eu devo colar na sala de aula, pois como eu posso ser uma pessoa tão sem opinião própria. Vou transcrever aqui embaixo a conversar que eu tive com ele e depois ele ainda dizendo que eu não sei interpretar o que ele diz.
Muita gente quer justificar que o PT deve sair do governo devido corrupção. Ela já existia antes do PT chegar e só a reforma política acabará com ela a corrupção.
Postar um comentário