terça-feira, 24 de junho de 2014

Maioria na Arena Castelão sai frustrada com a derrota da Costa do Marfim

Sai de casa por volta de 13h30 com a tranqüilidade para ver um jogo da Copa do Mundo ao vivo em um estádio de Fortaleza chamado Arena Castelão. Passei os últimos quatros anos da minha vida sonhando com esse dia. Desde que a Copa da África do Sul acabou.
Foto: Carlos Emanuel

Mas depois de um ano em que assisti dois jogos da Copa das Confederações (Brasil 2 x 0 México e Espanha 3 x 0 Nigéria), em meio a manifestações das ruas no nosso país. Vi muitas coisas mudarem e sempre defendi que essa seria uma ótima competição com estádios cheios e com a torcida animada.
As pessoas falavam de caos e eu do meu jeito simples dizia que o que aconteceu uma vez com um milhão de pessoas nas ruas, não se repetiria de novo. Por que o que houve nas ruas não foi algo planejado, mas um sentimento espontâneo de um momento único e que em parte da mídia brasileira contribuiu para gerar revolta da população manipulando dados e aumentando erros que às vezes eram pequenos.
Mas voltando a realidade desta tarde, a minha ida ao jogo se deu, quando entrei no site da Fifa e comprei o ingresso, mas tinha sido sorteado para vários outros e meu cartão não autorizou o pagamento e seria assim que junto com meu irmão Neto Alves me dirigia ao jogo Greece VS Côte d ´Ivore, o jogo da consolação.
E deu para perceber claramente, que grande parte das 59 mil pessoas presentes no jogo estavam ali, porque queriam presenciar esse grande momento mesmo com seleções não tão bem tradicionais e também como eu tinham ficado de fora dos outros jogos que a Arena recebeu.
A multiplicidade de pessoas ali, como alemães, gregos, africanos, cearenses, colombianos, mexicanos e até o cantor Nando Reis que com sua família fez a caminhada a pé ao nosso lado do bolsão até o estádio mostra que as pessoas tão vendo com bons olhos esse torneio.
A maioria ali estava torcendo pela Costa do Marfim que jogava pelo empate, poucos eram os que estavam torcendo pela Grécia.

Partida

Durante todo o primeiro tempo, o jogo se arrastou numas tentativas africanas principalmente pelas jogadas do Gervinho, YaYa Torré e alguns lances isolados da fraca participação de Didier Drogba.
A Grécia que era mais do que experta se aproveitava das falhas de marcação dos marfinenses e chegava com facilidade e numa dessas falhas Samaris sozinho cravou a abertura do placar.
Fila do Bolsão para ir embora Foto: Carlos Emanuel

A torcida presente até ensaiou uma Hola, mas que faltou empolgação dentro de campo e assim as arquibancadas silenciaram. No segundo tempo precisando empatar a Costa do Marfim partiu para cima e empatou o jogo com Bony num belo lançamento de Gervinho.
A partida caminhava para a classificação dos africanos, mas nos acréscimos um pênalti mudou tudo e o camisa 7 da Grécia, Samaras fez o gol que deu números finais ao jogo.
Torcida um pouco desanimada por que pintou o rosto e tomou partido pelos africaneses, mas no fim a torcida saiu satisfeita com a experiência de ter estado numa Copa do Mundo.


Postar um comentário