terça-feira, 25 de março de 2014

Um comunista e um selecionado Tri-campeão em 1970


A Copa do Mundo de 1970, no México todos nós conhecemos, pelo futebol arte do Brasil, comandados dentro de campo, por Pelé, Jairzinho, Tostão, Rivellino, Gérson, Clodoaldo, Piazza e Carlos Alberto Torres. Foram seis vitórias inquestionáveis. Dentro das quatro linhas foi um sucesso, muito bom para a ditadura militar fazer sua propaganda positiva.
João Saldanha

Muitos não imaginavam que há pouco mais de um ano antes da competição, o então presidente da CBD (Confederação Brasileira de Desportos), João Havelange escolhia o jornalista João Saldanha para treinar a seleção brasileira de futebol.
Saldanha já tinha passado por uma experiência, como treinador, em 1957 quando com o Botafogo (RJ) se consagrou campeão carioca daquele ano.
Ele que pertencia ao Partido Comunista Brasileiro (PCB), estava tendo a oportunidade de montar uma equipe como qualquer um no lugar dele faria um time bem ofensivo.
E nas eliminatórias de 1966 com o time base formado por jogadores de Botafogo e Santos, os melhores times da época, o nosso selecionado conquistou a auto estima perdida em 1966, com seis vitórias nas eliminatórias, com um esquema 4-2-4.
Mas a sua atuação política contraria ao regime e sua teimosia em não convocar Dadá Maravilha, goleador preferido do presidente Emílio Garrastazu Médici, fizeram o treinador ir perdendo espaço.
Que culminou com sua demissão, no dia 14 de março de 1970, logo após o empate do Brasil 1 x 1 contra o Bangu, no Estádio Maria Bonita (RJ).
Foi ai que Mario Zagallo, alagoano, substituiria o colega gaucho. Já havia treinado uma equipe de futebol o Botafogo (RJ), entre 1966 e 1970 e foi obediente aos pedidos do regime.
A Copa do Mundo teria algumas novidades dessa vez. Primeiro fora de campo ocorreria às transmissões a cores pela TV, uma estréia para o torneio. 
Outras novidades ficam para dentro do campo, com a permissão da substituição de dois jogadores por equipe a cada jogo. Além de ter sido adotado o cartão amarelo para advertência e vermelho para expulsão.
Os jogos aconteceram nas cidades de Guadalajara, Léon, Cidade do México, Puebla e Tolusca.
Craques desfilaram pelos gramados mexicanos. Teófilo Cubillas (Peru), Mazurkiewicz (Uruguai), Gerd Muller, Uwe Seller, Franz Beckenbawer (Alemanha), Sandro Mazzola (Itália), Gordon Banks, Bobby Moore, Bobby Charlton (Inglaterra).

O grande goleador foi Gerd Muller (ALE), fez 19 gols e o Pelé (BRA) foi escolhido melhor jogador daquele ano.
Gerd Muller

Na estréia conta a Tchecoslováquia, o Brasil tomou um susto, com o gol de Petras aos 12 minutos. A virada veio com Rivellino aos 24, Pelé 60 e Jairzinho duas vezes, final 4 x 1.
No segundo jogo, foi mais equilibrado, contra os campeões mundiais, o gol só saiu aos 15 minutos da etapa final com Jairzinho. Brasil 1 x 0 Inglaterra.
Fechando o grupo na liderança a seleção brasileira venceu por 3 x 2 a Romênia. Nas quartas-de-finais, o nosso rival tinha um treinador brasileiro, Didi, mas mesmo com uma boa primeira fase, o Peru, não conseguiu superar a seleção canarinha e perdeu por 4 x 2.
Para chegar a mais uma final, tínhamos pela frente o fantasma de 1950, o Uruguai. Dessa vez ganhamos por 3 x 1. Com gols de Clodoaldo, Jairzinho e Rivellino.

Cento e oito mil pessoas estavam lá, no Estádio Azteca e presenciaram a partida em que o Brasil se tornaria Tri-campeão Mundial com 4 x 1 sobre a Itália.
Seleção Tri 1970


Postar um comentário