domingo, 16 de março de 2014

A Revolução no Brasil e a Copa de 1930 no Uruguai


No ano em que o Brasil passou por mais uma de sua muitas revoluções, a Federação Internacional de Futebol Associados (Fifa) realizava a sua primeira Copa do Mundo de Futebol no Uruguai. A Revolução, todos já conhecemos; Getúlio Vargas, então presidente do Rio Grande do Sul e ex-ministro da Fazenda, do presidente da república Washington Luís, articulava calmamente os seus passos para se tornar o estadista de todos os brasileiros.
Getúlio Vargas

Isso aconteceu com a força das armas, depois da derrota do próprio Vargas, para o candidato Júlio Prestes. Com uma suspeita de fraudes nas eleições, o grupo derrotado se aproveitou do assassinato do presidente da Paraíba João Pessoa e resolveu tomar o poder na “marra”, assim dava-se fim a República Velha, movimento conhecido como Café com Leite, pela alternância do poder somente entre São Paulo e Minas Gerais.

A competição


            O torneio de futebol tinha acontecido meses antes em Montevidéu no Uruguai, para comemorar o centenário da independência desse país e por ser a seleção celeste bicampeã olímpica, Jules Rimet, presidente da Fifa, decide fazer a competição no continente sul-americano.

            Foram 13 participantes, sem necessidade de eliminatórias, mas todos convidados. O mais interessante de tudo é que até dois meses antes de começar a Copa do Mundo de Futebol, não tinha ainda confirmado a participação de nenhuma equipe da Europa.
            Foi necessário o Uruguai, anfitrião do evento se colocar a disposição de custear as despesas de Bélgica, França, Romênia e Iugoslávia, além dos membros da Fifa.
             Dentro de campo foi um sucesso; 18 jogos, com 70 gols; média de público de 24138 pessoas por partida e uma grande final com 93 mil pessoas presentes no estádio Centenário para ver a seleção da casa vencer a Argentina pelo placar de 4 x 2.
  
Uruguai Campeão de 1930


            Na memória a marca do primeiro gol da história das copas, marcado pelo jogador francês Lucien Laurent.
Postar um comentário