domingo, 5 de janeiro de 2014

Domingo devagar, depressa, desastrado

O dia mau começou e o telefone tocou, não era nenhum cliente, querendo passeios turísticos. Nem mesmo era algum familiar. Eu estava ainda preparando o café da manhã e ela já me disse que estava no caminho vindo para cá. 
Eu tinha avisado que ela viesse somente depois de 11 horas, mas minha namorada é assim mesmo de "sete meses", quando dar na cabeça dela aparecer é na hora que ela abre os olhos e olhe que é bem cedo, pois mesmo longe do trabalho, já que há poucos dias saiu do trabalho, fica mesmo dedicada aos serviços de casa.
Mãe, separada, mas dedicada as coisas responsáveis da vida, sem esquecer das coisas boas da vida é bem verdade.

Eu só posso entrar no clima dela, pois tem um jeito que me atrai. Cuida de casa e do homem que gosta (no caso eu).
A essa altura da vida, não imaginava ainda encontrar alguém legal, que se encaixasse em meu jeito e que extraísse coisas boas de mim e sem forçar a barra, me fizesse vencer algumas dificuldades "intimas". Estou mesmo me descobrindo como um homem capaz de coisas que eu já me achava derrotado.

Não falo de capacidade de trabalho, de estudo, de superação como trabalhador estudante, mas sim de alguém que pode agradar mais uma mulher.
Foi um dia sossegado, na rede, na cama, agitado e na conversa boa, boas risadas e no descanso, respeito e companheirismo.
Meu melhor dia é esse. Na verdade seria, se eu não conseguisse ser como eu sou, um falho ser humano. Logo depois do amor, veio o ato falho de dizer um nome, que não foi o dela. Vixe, o bicho pegou e a mulher com raiva ficou. Só espero que ela saiba que isso não tem importância, o melhor é o que temos de carinho e afeto um pelo outro. 
Tem mulher que é meio desconfiada e por isso basta um detalhe para ela entrar em crise, mas eu não posso deixar que a mulher saiba que eu me importo com isso. Ou seja, que fique preocupado, com o que ela pensa, se ficou com raiva.
O fim de semana bom, sempre é simples sem grandes acontecimentos patéticos, mas recheados de humanidade e de passos concretos.

Postar um comentário