sábado, 24 de agosto de 2013

Vendendo Ilusões

Era mês de maio e lá estava eu saindo do estágio de jornalismo na Secretaria de Participação Popular da Prefeitura Municipal de Fortaleza e ao mesmo tempo sendo demitido do posto de saúde após 07 anos de trabalho no atendimento dos usuários de Fortaleza.

Era um caminho de seguro desemprego e readaptação da vida. Morando numa casa alugada de R$ 320,00 por mês e vários outros débitos pela frente pensei de imediato em deixar esse bairro querido que amo Montese, para ir para um lugar mais barato de R$ 160,00 seria melhor para mim e economizaria um dinheiro.
Compartilhei esse meu desejo com irmãos, com meu pai e ouvi deles que deveria ficar onde eu estava mesmo e esperar com calma as coisas melhorarem.
Mas eu estava decidido, porém quando eu fui ver a casa, num bairro sem infraestrutura com acessos difíceis, pensei duas vezes. A minha irmã Maria Lúcia me deu uns R$ 100,00, aceitei, mas vi que a situação dela não era tão boa para se dispor a todo mês me dar uma quantia para me ajudar e nem eu queria.
Foram meses em casa, estudando, fazendo exercícios físicos, vendo TV, ai veio a Copa das Confederações, eu fui a dois jogos na Arena Castelão.
Depois da Copa das Confederações, meu ´pai me ligou, foi algo que mudou minha vida. Me chamou para trabalhar com ele vendendo passeios turísticos  Puxa vida, eu sabia como era, fui lá algumas vezes na Beira Mar aqui de Fortaleza, ver e tinha certeza que não tinha coragem, a timidez estava muito forte em cima de mim, mas quis mostrar que não fugiria ao convite e disse que iria na quinta.
Dois dias depois eu estava lá, trabalhando cara a cara com os turistas, gente dos mais variados lugares do Brasil: Manaus, Maranhão, Recife, São Paulo, Rio de Janeiro e até pessoas de outros lugares do mundo.
Os cinco primeiros dias eu não vendi nada e pensei em desistir, mas como não queria ficar em casa derrotado e sem ter o que fazer continuei indo, até que comecei as primeiras vendas com a parceria do meu pai, que ia me ajudando preenchendo para o cliente o voucher, comprovante do passeio em que o turista deixa 20% do valor total, que no caso é nossa comissão.

Nos primeiros dias fiquei distribuindo os panfletos do meu pai e aos poucos fui criando vontade de ter meus próprios panfletos e depois meu carimbo com meus telefones. 
Dai veio a camisa da empresa Branco Turismo e fui me desarmando e criando motivação e crescendo nas vendas. Com a técnica de atender bem o cliente e informar muito antes de vender algo. Dai para frente meu telefone não parou mais de tocar, seja em casa cedo, ou na faculdade, em qualquer lugar, era vendendo.
Numa bela tarde, o meu pai conversando com o devoto (Fred), sobre algo, surgiu de repente uma palavra no ar: "vendendo ilusões".
Era uma resposta que o devoto, orante da praia dava ao meu pai, sobre o que meu pai falou de ele vender seus livros espirituais. Meu pai disse, você tá vendendo espiritualidade.
E ele falou que nós vendemos ilusões. Fiquei matutando aquilo na minha cabeça. Realmente nós vendemos algo que tira as pessoas do real e os leva a ilusão de encontrar a felicidade.

Claro a felicidade não está em algum lugar, mas dentro das pessoas, mas levar os turistas para um lugar diferente do que eles conhecem é algo que os leva para uma experiência diferente, por mais que momentânea, tira eles do triste dia que é ser um alguém sempre naquela mesma rotina.
Não é algo que possa medir por levar ou não para um gozo espiritual, o objetivo do passeio é primeiro levar renda para as famílias que vivem nessa cadeia produtiva em torno dos passeios.
Seja o dono da agência de passeios, o motorista, o guia turístico  o vendedor, o garçons das barracas e outros tantos.
Mas além disso, necessitam muito mais os turistas, como eles precisam de teatro, de cinema, de amor, também uma viajem para novos lugares os levam a fazer novas amizades, a ter um novo olhar sobre lugares que eles só ouvem falar.
Verdade que nem todos os turistas voltam elogiando, tem sempre aqueles 10% que acham tudo ruim e nada presta, porém, a maioria volta e elogia e para nós que vendemos a eles um serviço a nossa recompensa, claro falo isso por mim, é ver a alegria deles e os elogios que eles vão colocar na rede sobre nosso estado maravilhoso do Ceará.

Postar um comentário