sábado, 26 de janeiro de 2013

Tragédia no Egito só aumenta

Em 01 de fevereiro de de 2013, num jogo valido pelo Campeonato do Egito de Futebol, entre as equipes Al Ahli e Al Masri, em Port Said, cidade localizada no Nordeste do Egito, morreram 74 pessoas.
Na época a briga se iniciou ainda durante o jogo, quando o Al Masri vencia por 3 a 1 a equipe tradicional do AL Ahli.
Quase um ano depois, 22 pessoas morreram em confronto com a policia, ao tentar invadir o local, onde 21 foram condenados a morte por envolvimento do confronto no ano anterior, entre os mortos o jogador do  Mahmoud Abdel-Halim al-Dizawi, jogador do Al-Marikh, morreu após receber vários chutes de torcedores enfurecidos. Tamer al-Fahla, do mesmo clube, também morreu em virtude do excesso de chutes, segundo agência internacionais.

Triste ver isso acontecer, no momento em que o mundo cada vez mais se expande através das redes sociais e ainda temos dentro do esporte pessoas que levam as revoltas religiosas, etnicas,,etc, para dentro do futebol. Existe ainda ai um vácuo entre o caos social e a consciência da comunidade em ver o esporte como instrumento de liberdade e de relamento.
Postar um comentário