sexta-feira, 16 de março de 2012

Robert K Logan, Privataria Tucana e solidariedade aos amigos

O dia de ontem tirei para participar de eventos: Palestras, lançamento de livro  e ajudar amigos. Um dia bastante agitado, mas que sei ao final me proporcionou um retorno compatível com o esforço gasto em caminhadas e dentro de ônibus. De manha cedo estava chovendo muito, por isso fiquei dormindo  um pouco mais (afinal estou de férias do trabalho), me levantei  as nove horas para ligar para minha amiga Sabrina que mora em Pentecoste e esta em Fortaleza atrás de emprego. 
Robert K Logan
Durante amanha lhe ajudei e a seu amigo que veio de Itapagé para procurar emprego; eles estavam meio perdidos, sem saber por onde começar. Se encontramos na Praça do Ferreira  em frente ao DUDAs no meio de uma chuva torrencial. Primeiro os levei a uma empresa de cobrança que estava precisando  de atendente de caixa. Depois fomos ao Centro Cultural BNB, mostrei a eles como poderiam ver os classificados, acessar internet grátis, ver filmes, estudar e ainda curtir a programação cultural. 
Almocei no DUDAs e fui comprar o ingresso para o jogo do Ceara, ainda fiquei um pouco no SESC Centro e quando deu 14:15 comecei a caminhada ate a avenida Aguanambi no Espaço  O Povo, onde vi a Palestra com Robert K Logan físico  e professor emérito na universidade de Toronto  e estudioso de Marshall Mcluhan teórico de comunicação.  
Ao chegar fui recebido por uma jovem  que checou meu nome na lista de presença. Afinal 24 horas antes de começar a palestra, já haviam acabado as vagas pela internet. Outra mulher me pediu a identidade para que pudesse  me dar um aparelho de tradução do Instituto  de Tradução e Interpretação. Como não estava com o documento requerido, foi difícil ela me ceder o aparelho em troca de minha carteira estudantil 2012. Segunda ela, houve casos que pessoas levaram o aparelho embora. 
O ambiente estava dividido em dois espaços, um com  o sistema de som e a exposição com o livro do autor e outro onde seria a palestra. O espaço e bem pequeno, para 70 pessoas no máximo. Antes de começar a palestra as pessoas ficavam conversando, algumas estudantes  do mesmo curso, outros profissionais do jornalismo. Uns preferem conversarem pé. Segundo uma colega, fazem isso para chamar atenção.  
O próprio palestrante  já passou no meio de nos e cumprimentou as pessoas, se esforçando com um português meio arranhado. A palestra marcada para as 15:00 somente começou as 15:40. Na abertura foram apresentados os alunos de Pós Graduação da UFC a qual a aula inaugural era  dedicada em primeiro lugar, claro tínhamos nós  estudantes de comunicação social. A palestra uma parceria com diversas universidades no Brasil. 
Aqui você ver trechos da palestra de Robert K Logan: O que aprendi primeiro  de McLuhan e que o meio e a mensagem. Queria estar no meio de vocês. Quando se escreve você esta codificando  as palavras. Quando lê esta decodificando. Enquanto conversava  com McLuhan no momento das refeições, nos construíamos artigos.  Ele era um cara divertido e gostava de contar piadas. Estudava com muitas pessoas diferentes e que para entender a comunicação precisava saber um pouquinho de cada área. 
Um meio não e passivo, tem vida própria. Cada um dos meios cria novas formas de como as pessoas vão viver o mundo.  Para aprender, para ser educado tem que interagir com a informação. Diante da TV você fica passivo.  O dinheiro melhora o comercio e torna obsoleto as trocas e tira do passado  a necessidade de buscar por algo, como a caca, quando as tribos  preservam a comida através do consumo conspícuo. Hoje quando se tem dinheiro quer se gastar. O dinheiro torna o comercio mais rápido. 
A mídia  que McLuhan mais usava era o jornal, depois o radio e também a escola.  Ela ensinava pontualidade, assiduidade e obediência, para se adequar a revolução industrial. A escola deveria ensinar a fazer perguntas.  Existia uma relação com  o software, mesmo antes da informática, com o cérebro. A inteligência artificial  e uma tentativa de se chegar a isso. O software torna obsoletas as pessoas que são de uma maneira linear, sem imaginação.  Vão se tornar pessoas que não pensam pro si próprio e tornam-se dependentes.  Não se pode falar sem as imagens. 
McLuhan disse coisas que as pessoas tenderam a rotulá-lo por isso. Ele dizia que o especialista era inútil.  Tinha o interesse de ver como muita coisa se junta para produzir um efeito. McLuhan fala sobre três eras: a primeira oral, depois a escrita e por ultimo a elétrica. Com a eletricidade a comunicação se descentraliza, não existe mais centro único de poder. Quando se combinam dois sistemas eles  se tornam mais forte, do que separadamente. 
O usuário e o conteúdo. O aprendizado  através do que cada um interpreta. McLuhan tinha um viés antiacadêmico. Os especialistas se achavam como o monopólio do pensamento, para McLuhan a solução vem de vários meios. A  informação reduz a quantidade de certeza.  Quando num sistema  o conjunto de componentes  se organizam, criam algo de novo. Não da para prever se vira um outro sistema que vai superar a internet. As mídias estão convergindo e tem que saber interagir  entre si. 
Com o fim da palestra de Robert K Logan fui caminhando ate a Faculdade de Direito da UFC em frente a praça da bandeira  para ver o debate: Mídia e Privatização no Brasil  com o lançamento do livro a Privataria Tucana  do jornalista Amaury Ribeiro Jr. Para o debate veio a Fortaleza o deputado federal Protogenes Queiroz. Ele falou que além do PC do B  e do PT, assinaram a CPI da Privataria alguns  deputados de oposição do PSDB e do DEM, foram 308 assinaturas. 
Protogenes Queiroz
O livro da Amaury expõe as privatizações  da década de 90, quando se prometia melhorar as áreas privatizadas como saúde, educação, etc, mas nada melhorou. Protogenes observou que as operações de privatização  envolveram Serra, ex- Governador, ex- Prefeito, ex candidato a Presidente e que nunca completou um mandato.Os políticos da época da privatização desapareceu com o dinheiro e sucatearam o Brasil. Dos 513 deputados mais de 1/3 quer saber a verdade. O judiciário que equilibra a correlação de forcas dos três poderes. 
Depois da palestra fui pegar o ônibus na parada em frente a caixa d'água  próximo ao IJF, um dia puxado, mas bom.
Postar um comentário