domingo, 15 de novembro de 2009

De volta a disputa


Estava pensando nas vezes que fiz vestibular ou mesmo concurso, como é bom está disputando uma vaga para alguma coisa. Isso nos faz sentir vivos, reintegrados com toda vida. Voltamos a vê que muita coisa depende de nós para funcionar, o mundo está ao nosso alcance.
            Hoje acordei, cedo 06h, tomei banho, me arrumei, tomei o café da manhã, enquanto minha esposa ainda dormia. Como faltava algum tempo, fui assistir um episódio de CSI Las Vegas, para distrair um pouco.
            Quando entrei na Topic, por volta de 07h, tive que ficar no meio do apertadinho, muitos estava indo para o mesmo lugar que eu. Desci próxima a Avenida 13 de maio e fui conversando com uma jovem que morava no Montese, como eu ia fazer vestibular no mesmo local, Colégio Adauto Bezerra.

Lembro-me muito bem dessa escola, pois foi nela que há muitos anos atrás, ia buscar a minha namorada Franciléia, no ano de 1998, quando tinha 19 anos, alías ela, foi a minha primeira namorada séria. Também fiz uma prova para um concurso da Caixa Econômica Federal.
            Hoje quando cheguei, ainda estava faltando uma hora para o início da prova, vestibular para Letras-Português da UFC, muita gente para essa disputa nessa escola. Fui beber água em um carrinho de lanche.
            Enquanto não abria os portões, ficava observando pra vê se tinha alguém mais velho que eu, vi muitos jovens de 18,19, 23 anos, etc. Eu com 30, minha sentia um dinossauro no meio de uma civilização nova. Claro que não era tanta diferença assim.
            Achei hilário, quando um rapaz se aproximou do carrinho de lanche e pediu uma lata de cerveja. Explicou que estava nervoso e que já tava na hora de entrar e que, não tinha nada a perder. Era mesmo um aluno em pânico, com medo de não agüentar a pressão.
            Outra coisa engraçada, foi quando fui ao banheiro, está já urinando, saiu uma jovem correndo do banheiro que eu estava, passou atrás de mim, claro banheiro masculino, ela estava no local errado, cheguei a vê lá já do lado de fora, era bonita meio maluca, andando apressada.
            Quando já estávamos na sala, as mesmas explicações de sempre, "só pode sair com duas horas de prova, os dois últimos saem juntos...". Isso parecia chato, na época que era mais moço, porém agora, era como se fosse música agradável, aos ouvidos. A prova não era tão difícil, o mais complicado era preencher o cartão resposta sem rasurar.
            É como marcar os cartões da loteria, a máquina só reconhece, quando pintamos bem de caneta o quadradinho. Fiz a prova em três horas, o que sabia, fiz consciente, o resto um chutezinho, quem sabe acerto o gol.

            O resumo de tudo é que estou retomando o gosto pelos estudos e só quero parar ao entrar na faculdade, de onde estive uma vez no CEFET, no curso de Licenciatura em Física, estou de "Volta Para o Futuro"
Postar um comentário