Páginas

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Iarley: andarilho bi-campeão do futebol mundial de clubes


Bom dia, Boa tarde, Boa noite! Meu nome é Carlinhos Alves, direto de Fortaleza chegamos a sua casa, com o FutCearaCast. Um podcast que fala de futebol, de história, de notícias dos clubes, de entrevistas e demais curiosidades do futebol cearense.
Hoje vamos falar sobre a carreira de Iarley

       No dia 24 de abril de 2003, diante de 40 mil pessoas presentes em La Bombonera, o gol de Iarley daria a vitória do Paysandu por 1 x 0 diante do Boca Juniores pela Libertadores. A equipe argentina contava com jogadores como Ibarra, Burdisso e Carlito Tevez.

            Pedro Iarley Lima Dantas nascia em 29 de março de 1974, em Quixeramobim, sertão central do Ceará. Daquele lugar sairia para jogar as categorias de base do Ferroviário, ainda uma temporada em 1995 pelo Quixadá e foi depois para o Real Madrid (B), onde ficou durante duas temporadas.
            Jogou pelo Celta B e pelo Melilla, antes de retornar ao Brasil em 2000 para atuar pelo Uniclinic. Até ser contratado pelo seu time de coração, o Ceará Sporting Club, em 2001, quando formou um ataque forte com Sérgio Alves e Mota e no ano seguinte seria campeão do Campeonato Cearense.
            Mas foi no Paysandu na Copa Libertadores de 2003, que despontou para o futebol, quando fez gol no Boca e depois fora contratado pela equipe argentina, onde disputaria duas temporadas, sendo inclusive campeão do Mundial de Clubes de 2003.
            Com diversas contusões, o Boca Juniores vendeu Iarley ao Dorados do México, onde ele fez cinco gols, no mesmo ano de 2005, depois foi contratado pelo Internacional, onde passaria três temporadas e conquistaria mais um Mundial de Clubes.

            No Goiás Iarley atuou duas vezes em 2008 e depois em 2011, quando jogou mais de 100 jogos com a camisa do time alviverde. Na primeira passagem foi, campeão goiano em 2009, sendo artilheiro pelo Goiás com 12 gols. E foi campeão da Série B em 2011, marcando o gol do título.

                      Em 2010 com a camisa do Corinthians Iarley joga mais uma Libertadores.

          
            Em 2011, Iarley voltaria ao Ceará Sporting Club, para ser campeão cearense e disputar alguns jogos pela Série A pela equipe alvinegra.
          

            Em 2013 Iarley voltou ainda para o Paysandu, mas acabou não tendo mesmo sucesso de outras épocas e veio ao Ferroviário onde acabou rebaixado no Campeonato Cearense e em 2014 se aposentou dos gramados.  Foi contratado pelo Internacional em 2016 para dirigir as categorias de base.
            O jogador que passou ainda pela seleção brasileira, convocado por Dunga, mas não chegou a jogar, tem entre os principais títulos Campeão Paraense 2013, Taça Libertadores de 2006 e Campeonato Gaúcho de 2008.
           
            Narração e edição: Carlinhos Alves, agradecimento a sua audiência e sua sintonia, abraço
           
            Fonte:
           

            Wikipédia: https://pt.wikipedia.org/wiki/Iarley















terça-feira, 16 de maio de 2017

Pautando a Bola: Jornal do Comércio do Ceará (Abril)

Edição que eu escrevi trouxe matérias sobre: as campanhas do tricolor do Pici, nos vice-campeonatos da taça Brasil em 1960 e 1968; além dos títulos do Ceará no Norte- Nordeste de 1964-1969 e a história Mário Braga Gadelha, o Babá. 

domingo, 14 de maio de 2017

Nossa mídia brasileira jaz em trevas

Manipulação do Jornal Nacional repete 1989 e edita “debate” Lula x Moro
                 Era 1989 e as eleições estavam acirradas para presidente e o segundo turno o então ex- metalúrgico Luis Inácio Lula da Silva enfrentava o então caçador de Marajás, Fernando Collor de Melo. Enquanto Lula liderava e tinha tudo para ser eleito presidente, a mídia brasileira começava a manipular e mexer os pauzinhos para impedir o petista de vencer a disputa.

                 O estopim de tudo se deu no último debate entre os dois presidenciáveis, como a maioria das pessoas via os melhores momentos no Jornal Nacional, houve uma edição, com o objetivo de depreciar a imagem do barbudo e elevar a imagem do alagoano.
                 Isso quem mesmo confessou, foi Boni, um ex-chefão da Globo. Primeiro a emissora dos Marinhos preparou Collor, ajeitou a gravata dele, tirando ela, para ele parecer mais populista. E então o diretor sagaz fez pior, ele colocou pastas vazias na mão de Fernando, mas que na época se pensava conter denúncias contra Lula, o que deixou o ex-metalúrgico em pânico e tenso, o prejudicando no desempenho do debate. As imagens depois mostradas no Jornal Nacional traziam Lula suando e Collor tranquilo, o que influenciou na votação alguns dias depois como todos sabem.
                 A Globo como sempre, agora em 2017, agiu. Para quem acompanhou partes do depoimento de Lula a Sérgio Moro, na quinta-feira no âmbito da Operação Lava Jato, disponíveis logo em seguida no mesmo dia em canais do You Tube, pode ver momentos de tensão nas perguntas do juiz, que muitas vezes fugiu do “corpo” da acusação, que se restringia ao Triplex do Guarujá, procuradores perguntaram sobre nomeação na Petrobrás quando Lula era então presidente, fato questionado pela defesa do ex-presidente.
                 A Carta Capital trouxe uma explicação da edição do Jornal Nacional, que geralmente em sua edição diária gasta 30 minutos, teve uma exibição não habitual de 53 minutos e 18 segundos, 42 minutos e 32, foram gastos com matéria sobre Lula, ou seja, 80% do Jornal.
                 A matéria começa com Bonner mostrando a fala de Moro dizendo que ele não tinha nada contra Lula. Depois mostra Lula negando a responder perguntas sobre o sítio de Atibaia e Moro dando uma repreensão a Cristiano Zanin, advogado de defesa de Lula.
                 Vasconcelos, fala que Lula se contradisse, ao dizer que recebeu Léo Pinheiro e Paulo Gordilho em sua casa para discutir reforma do sítio que ele insiste não ser dele. Lula aparece atacando o MP, por induzir as testemunhas a acusá-lo sem provas.
                 A edição do Jornal Nacional mostra Lula negando que seja dono do Triplex e Moro confrontando o ex-presidente com a afirmação do ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro, uma desqualificação dos argumentos de Lula e a fala de Moro como corajoso.
                 Sobre as nomeações da Petrobrás, Willian Bonner, aparece com um tom de voz irônico, como que indicando que Lula estava mentindo. E por aí continua a edição do principal jornal da TV Globo. Quem saiu às ruas para conversa com as pessoas depois dessa exibição pode constatar as pessoas com ódio na fala contra Lula, um ódio já habitual, mas agora com o argumento de que Moro deu um baile no ex-presidente e colocou-o nas cordas. Ai vem à pergunta, como você sabe disso meu camarada?

                 Eu perguntei a um policial militar, meu colega, que disse que Lula perdeu e descreveu fidedignamente, como tinha passado no Jornal Nacional, dava para ver que ele tinha assistido o noticiário pela Globo.
                 Depois vieram a repercussão geral da mídia, sendo contraria a Lula. No próprio O Globo, o prefeito de São Paulo, João Dória (PSDB) aparece dizendo que o depoimento de Lula é lamentável e chama o ex-presidente de ator e mentiroso. Outra fala repercutida foi do procurador da Lava Jato, Carlos Fernando Lima dizendo que foi um tanto triste o Lula falar sobre sua ex-esposa a responsabilizando pelo desejo de adquirir o Triplex, pois não estava lá para se defender.
                 Eu vi a fala de Lula sobre Marisa e não havia tom de Lula em querer jogar a culpa na sua mulher, já falecida, pelo contrário ele apenas narrou os fatos como aconteceu e que Marisa, queria comprar o imóvel, mas no fim desistiu. Pior, foi a “Lojas Marisa” que em campanha do Dia das Mães ironizou a ex-primeira dama. “Sua mãe ficar sem presente, a culpa não é da Marisa”.
                 Enquanto dentro do nosso Brasil a manipulação da Globo atingiu a massa odiosa e desinformada, a mídia estrangeira repercutiu de outra forma. O britânico The Guardian mostra que Lula condenou a perseguição a que está sendo submetido. O repórter Dom Philipps destaca o esquema de segurança forte em Curitiba e milhares de simpatizantes no comício de Lula, logo após o depoimento.
                 No Le Monde, a correspondente Claire Gatinois falou que Lula foi combativo e que se disse vitima de caçada judicial. Na Reuters, mostra o juiz dizendo que faria perguntas difíceis e que Lula disse “Não há perguntas difíceis, senhor. Quando se fala a verdade”.
                 Eu sugiro a você que quer saber como foi realmente o depoimento de Lula completo, que acompanhe na integra, para tirar suas próprias conclusões e não seja manipulado pela Globo, seja inteligente estude, vá atrás de outras fontes.
                 O nosso jornalismo é feito pelas elites e para se manter no poder ela faz de tudo. A Operação Lava Jato que há pouco mostrou uma lista recheada de políticos importantes como beneficiários de propina. Do PSDB, Aécio Neves, José Serra, Alckmin, Anastácia, do PMDB, Romero Júca, Eunício Oliveira, Temer, outros, mas você como a mídia só liga para o PT e Lula.

                 A corrupção endêmica se alastrou por todos os partidos e Moro e seus aliados, só se preocupam com caixa 2 para o PT, mas já foi provado, que caixa 2 atingiu, todos os partidos e que foi um meio de propina que as empresas, principalmente a Odebrecht viu, para ter benefícios de tocar obras públicas.

Veja Mais:


Lula e o massacre do Jornal Nacional

sábado, 13 de maio de 2017

Ceará: 2° Tetra (1975-1978)


Bom dia, Boa tarde, Boa noite! Meu nome é Carlinhos Alves, direto de Fortaleza chegamos a sua casa, com o FutCearaCast. Um podcast que fala de futebol, de história, de notícias dos clubes, de entrevistas e demais curiosidades do futebol cearense.
Hoje vamos falar sobre o segundo tetra do vozão

       Quem já ouviu falar do Tetra do Ceará Sporting Club creditou as conquistas de 1975-1978, como o único time cearense a conquistar o título quatro vezes seguido, claro, antes de o Fortaleza ser Tetra e do próprio alvinegro de Porangabussu ser Tetra outra vez e ter seu Penta reconhecido em 2008.
            Primeiro veio o título de 1975, ano em que o Rio de Janeiro e a Guanambara se fundiram e viraram apenas um estado. O Campeonato Cearense deste ano, contou com 11 equipes, com a melhor média de público da história por partida, com 7 mil pessoas.  Os artilheiros da competição foram Ceará, Haroldo, Lula e Ibsen, com 8 gols cada.
            O campeonato foi dividido em 3 turnos, o primeiro vencido pelo Leão, destaques paras a vitórias alvinegras por 6 x 0 sobre o Calouros do Ar e 1 x 0 sobre o Fortaleza. Já no segundo turno, o Ceará venceu e teve vitórias importantes sobre o Guarany de Sobral 4 x 0 e de novo Fortaleza 3 x 0.
            No terceiro turno o Ceará venceu de novo e venceu o Ferroviário por 2 x 1. Na final geral o Fortaleza venceu o Clássico Rei, por 2 x 0 e depois perdeu por 2 x 0, dando o titulo ao Vozão. A base do time campeão foi formada por Sérgio Gomes, Geraldo Gadelha, Vânder, Zé Eduardo, Dimas, Da Costa, Marcelo Resende, Lineu, Roberto, Valdecir, Antônio Carlos, Ivanildo, Mano, Porunga, Edmar, Clóvis, Chinês, Paulinho, Serginho, Manoel, Marcelo Gadelha, Geraldo, Moisés e Luís e técnico Caiçara.
                Enquanto a ditadura fazia vítimas pelo Brasil em 1976, como a morte do metalúrgico Manuel Fiel Filho, no DOI-Codi, em São Paulo e de três dirigentes do Partido Comunista mortos em emboscada na Lapa também em São Paulo, outros dois ex-presidente também morriam, Juscelino Kubitscheck em acidente de carro e João Goulart no exílio, mortes consideradas suspeitas e até alvo de conspiração de que teria sido o governo militar brasileiro que teria cometido os assassinatos.
                Aqui foi realizado o Campeonato Cearense com 10 equipes e tendo como artilheiro Marciano com 34 gols. Foram três turnos disputados, o Fortaleza venceu primeiro turno, com destaques para as vitórias do vozão sobre o Guarani de Juazeiro por 5 x 2 e 5 x 0 sobre o América e 6 x 0 sobre o Quixadá e 6 x 0 diante do Ferroviário.
                O Ceará venceu dois turnos seguintes, entre as principais vitórias, o 5 x 0 sobre o Tiradentes, 3 x 0 sobre o Icasa e 6 x 1, sobre o Guarany de Sobral.
                Na final diante do Fortaleza em 1 x 1 e o bicampeonato para Porangabussu.  A equipe base foi formada por Sérgio Gomes, Pedro Basílio, Lineu, Tércio, Zé Eduardo, Tavares, Ricardo Fogueira e Jorge; Jorge Luís, Geraldo Gadelha, Edmar e Da Costa.
                O Campeonato Cearense de 1977 contou com 10 equipes e Hamilton Melo foi o artilheiro com 24 gols. O Ceará venceu o primeiro turno, com conquistas diante do América 5 x 0, 3 x 0 Guarany de Sobral, 5 x 0 sobre o Calouros do Ar e campeão do segundo turno, com vitórias de 3 x 0 diante do Quixadá, 4 x 1 sobre o Guarani de Juazeiro, 4 x 1 em cima do Ferroviário.
                O terceiro turno o Leão venceu, mas as vitórias alvinegras foram destaque, 4 x 0 diante o Icasa, 5 x 0 Guarani de Juazeiro, 6 x 0 diante do Fortaleza.
                A final foi Ceará 0 x 0 Fortaleza, mais um vice do Leão e o Tricampeonato alvinegro, com o time base formada por Tércio, Sérgio Gomes, Pedro Basílio, Hamilton, Lineu e  Dodô, Jorge Luís, Serginho, Ferreti, Edmar e Da Costa.
                Enquanto em 1978, a justiça reconhecia que a morte do jornalista Vladimir Herzorg, no DOI Codi, foi culpa da União, o presidente da Ditadura, Ernesto Geisel, assina o decreto lei, que proíbe greve nos setores de segurança nacional e setores públicos, foi o ano também que entrou e, vigor a Lei de Segurança Nacional.
                Mais uma vez, o Campeonato Cearense foi decidido em três turnos. No primeiro turno quem venceu foi o Ferroviário. As vitórias do Ceará foram 6 x 0 sobre o Calouros do Ar, no segundo turno, o Fortaleza venceu, destaques das vitórias do Ceará 5 x 1 sobre o Quixadá, e 6 x 0 contra o América. O terceiro turno o Ceará venceu e a principais vitórias 4 x 0 sobre o Guarany de Sobral, 8 x 1 sobre o Calouros do Ar. Houve então um triangular final, que acabou com o Ceará vencendo por 1 x 0  o Fortaleza naquele gol incrível de Tiquinho.

               
                A formação base alvinegra foi formada naquele dia histórico por Júlio, Sérgio Gomes, Artur, Darci, Edmar, Dodô, Jangada, Amilton Melo, Ivanir, Danilo e Tiquinho.
            Narração e edição: Carlinhos Alves, agradecimento a sua audiência e sua sintonia, abraço
           
            Fonte:
            Wiki: https://pt.wikipedia.org/wiki/1975_no_Brasil



sábado, 6 de maio de 2017

Gildo pernambucano: Maior ídolo do Ceará Sporting Club


Bom dia, Boa tarde, Boa noite! Meu nome é Carlinhos Alves, direto de Fortaleza chegamos a sua casa, com o FutCearaCast. Um podcast que fala de futebol, de história, de notícias dos clubes, de entrevistas e demais curiosidades do futebol cearense.
Hoje vamos falar sobre um pernambucano que foi ídolo do Ceará Sporting Club

       Era uma quarta-feira dia 09 de março de 2016, os olhos de Gildo Fernandes de Olivera se fecharam para o mundo e sua vida se abriu para ser história. Foram 264 gols com a camisa do Ceará e tudo começou justamente contra o seu time vestindo a camisa do Santa Cruz, onde enfrentou o alvinegro de Porangabussu.
            Foi no time pernambucano que começou nas categorias de base, sendo negociado com o Vasco da Gama, mas acabou retornando. Nascido em 1940 em Recife, o jogador teve passagens ainda pelo América (SP) e Calouros do Ar.  
            Quando veio ao Vozão o preço dele era baixo, devido a problemas no joelho. Foi tricampeão cearense pelo clube entre 1961 e 1963, sendo artilheiro duas vezes, com 15 e 16 gols respectivamente. Depois de boa campanha que o levou ao interior paulista, chegou a ser cogitado pelo Corinthians, mas a grave lesão no joelho direito o tiraria desse sonho de jogar por uma grande equipe do Sul.
            Um dos grandes feitos de Gildo foi o Norte/ Nordeste de 1969 em cima do Remo (PA), com um segundo jogo em que foi decisivo, apesar de sair contundido, mas fez o terceiro gol do alvinegro cearense que levou a terceira partida que depois o Ceará conquistaria o título do Norte e Nordeste.

            Como era alvinegro de coração não aceitou proposta de jogar no maior rival, o Fortaleza que o tinha convidado. Preferiu encerrar a carreira com 33 anos em duas temporadas no Calouros do Ar, mesmo depois de ser dispensado pelo Ceará.
            Ele havia sido campeão cearense outra vez em 1971 pelo Ceará quando não teve o contrato renovado. No Calouros do Ar chegou a enfrentar o seu ex-clube sendo ovacionado em um amistoso pela torcida alvinegra, quando tocava na bola. Em uma enquete do Jornal O Povo, ele foi escolhido como o melhor jogador de todos os tempos do Ceará.
            De acordo com um email enviado por Francisco Rangel Ao Que Fim Levou, do site do Terceiro Tempo, Gildo disse que, ficava feliz que os elogios da torcida não mudavam com o passar do tempo. E lembra um gol marcante que fez num Clássico Rei na primeira partida da decisão daquele ano, quando a partida ia para o empate sem gols e o goleiro do Fortaleza Cícero bateu tiro de meta na cabeça de Gildo: “Com a força do impacto eu cai no chão e até hoje nunca vi aquele gol” relatou o craque.
            Depois daquela vitória magra de um a zero, houve dois empates e no fim o título para o Ceará.
            Narração e edição: Carlinhos Alves, agradecimento a sua audiência e sua sintonia, abraço aos jogadores Pio e o paredão Fernando Henrique.
           
            Fonte:

            Terceiro Tempo: http://terceirotempo.bol.uol.com.br/que-fim-levou/gildo-1221



segunda-feira, 1 de maio de 2017

Belchior, morre o homem nasce o mito

            Era noite de sábado (29) e sozinho sobre o sofá ao som de música clássica, Belchior fazia seu “último concerto musical”, enquanto sua companheira Edna dormia no quarto. Por mais de oito anos sumidos da mídia, o nosso maior músico cearense e um dos melhores compositores brasileiros de todos os tempos, da geração “Pessoal do Ceará”, se foi do jeito que ele gostava, no seu cantinho sem se misturar com o mundo que jazia em trevas.

            Era 19 de janeiro de 2005, “eu” apenas um escritor latino americano, estudante e sem dinheiro no bolso, ao lado do meu amigo cartunista Cival Einstein fomos ao Teatro José de Alencar, lá encontraríamos Aldemir Martins, um dos maiores cartunistas cearenses com destaque nacional e internacional.
Belchior (novo)

            O sonho do meu amigo era entregar uma caricatura feita por ele ao artista plástico cearense. Por ironia a exposição de desenhos era de Belchior, cantor cearense, que faria uma seria de homenagens ao artista.
            Mas antes de começar o show de Belchior, eu e Einstein fomos entregar a caricatura a Aldemir Martins e eu dei uma de “assessor de imprensa” e consegui que um repórter registrasse essa entrega que realmente saiu no jornal Diário do Nordeste.
Ao lado de Cid Gomes

            Depois nos sentamos na primeira fila do Teatro e eu vi um verdadeiro show performático de Belchior a poucos metros de mim, foi com grande emoção que eu vi cada música interpretada com brilhantismo, uma voz que ecoava forte e vibrante na acústica do teatro e sua mexida de mãos e seu corpo.
            Nessa época eu não tinha muito entendido aquele show. Claro já sabia quem era esse homem e sua estrema inteligência, mas só com o tempo que fui ver que estava diante do maior compositor cearense e um homem que não buscava nem fama, nem prestigio.
            Sua morte lamentada por todos neste domingo, em Santa Cruz do Sul (RS), nos fazia pensar como estavam a comentar as más línguas, que ele estava louco, senil, mas não, ele estava vivo e estava compondo músicas e traduzindo livros, mas gostava de uma vida mais tranquila, sem fama.
            Quem esteve com ele nos últimos dias, o radialista Dogival Duarte que cedeu sua casa para ele morar por um ano, disse, que o compositor e cantor cearense estava vivaz: “Ele contava muitas histórias, passávamos a tarde inteira ouvindo as histórias dele. Sempre vivaz, muito antenado no mundo. Ele fazia a alegria de todos”
Com amigos entre eles Ednardo

            Como li na Revista Fórum, uma matéria disse que Belchior não estava doente e não há qualquer indício de violência externa.
            Quantas músicas lindas na voz de Elis Regina, Fagner, entre outros.
            Enquanto alguns buscavam fama ele queria ficar na dele. Era ativo e estava na luta contra um sistema opressor, esteve presente nas Jornadas de Junho, segundo ainda a Revista Fórum.
            Suas músicas tocaram gerações, principalmente as mais jovens que curtiam suas melodias. “Foi por medo de avião, que eu segurei pela primeira vez a tua mão, um gole de conhaque, aquele toque em teu cetim, que coisa adolescente, James Dean...”. “Se você vier me perguntar por onde andei, no tempo em que você sonhava de olhos abertos, lhe direi: amigo, eu me desesperava, sei que assim falando pensas que esse desespero é moda em 76...
            Um dos últimos grupos que vi atualizando as suas canções foi o Los Hermanos, mas aqui no Ceará, que vivia uma efervescência cultural com novos artistas, como Lorena Nunes, Os Alfazemas, Luxo da Aldeia, e outros que não em lembro agora.
            Eu sei que nas minhas noites de vinho e músicas em barzinhos pela cidade, ou mesmo ao som do violão do meu tio Cláudio Alves, ou em casa, escutava sempre ou pedia sempre uma música do Belchior.
            A música Tudo Outra Vez, mexia muito comigo, “Há tanto tempo, muito tempo, que estou longe de casa, e nessas ilhas, cheias de distância, o meu blusão de couro, se estragou...”
            Eu morador de Fortaleza e nunca sai do Ceará, mas nas músicas de Belchior viajei pelo mundo. Outra música marcante para mim era Comentários a Respeito de John: “Saia do meu caminho, eu prefiro andar sozinho, deixem que eu decida a minha vida. Não preciso que me digam, de que lado nasce o sol, porque bate lá o meu coração...”

            Belchior foi um romântico autêntico, um homem que soube dosar a vida sem gasta-la de forma errada. Saiu de cena quando todos queriam mais dele.

sexta-feira, 28 de abril de 2017

Fortaleza Esporte Clube: Tetra Campeão cearense (2007-2010)


Bom dia, Boa tarde, Boa noite! Meu nome é Carlinhos Alves, direto de Fortaleza chegamos a sua casa, com o FutCearaCast. Um podcast que fala de futebol, de história, de notícias dos clubes, de entrevistas e demais curiosidades do futebol cearense.
Hoje vamos falar sobre Tetra campeonato cearense do Leão do Pici (2007-2010)
       Durante muitos anos os tricolores foram atormentados pelas gozações do maior rival que se vangloriava de ser o único Tetra cearense e depois o penta campeão cearense. Mas os anos seguintes, vou narrar aqui, mudaram um pouco essa história, tudo começou em 2007.

            O Campeonato Cearense de 2007 contou com dez participantes e se realizou do dia 13 de janeiro a seis de maio, foram 96 gols em 29 partidas. Carlos Alberto (MAR) e Rinaldo (FOR) foram os artilheiros da competição, com 14 gols cada um. Na primeira fase o Leão terminou em primeiro lugar com 38 pontos, a frente de Icasa e Ceará e Itapipoca.
            Entre as principais vitórias tricolores se destacam, o 4 x 0, sobre o Ferroviário, no dia 28 de janeiro e 5 x 0 sobre o Itapajé, no dia 11 de março.
            Nas semifinais, o Fortaleza na prorrogação venceu o Itaipoca por 1 x 0, depois de dois jogos e dois empates de 0 x 0. Na final o Leão enfrentaria o Icasa, que venceu, o Ceará por 3 x 2 e empatou 2 x 2, eliminando o alvinegro de Porangabussu.
            Depois de um 2 x 2 na primeira partida, o jogo final, no dia 06/05/2007, o Fortaleza venceu o Icasa por 1 x 0, gol de Rinaldo.
            Em 2008, Esquerdinha do Boa Viagem e Paulo Isidoro do Fortaleza foram os artilheiros com 14 gols cada um. Competição começou no dia 05 de janeiro e terminou 04 de maio de 2008.

            O engraçado é que na primeira fase, o Leão terminou a primeira fase, do primeiro turno somente em 4° lugar, atrás de Horizonte, Icasa e Ceará. Entre as vitórias mais importantes dessa faze inicial, destaca-se, o 4 x 1 sobre o Itapipoca, no dia 16 de janeiro e 4 x 0, sobre o Horizonte, no dia 02 de fevereiro. Mas acabou vencendo o turno em cima do Icasa.
            Já no segundo turno, o Fortaleza repetiu o resultado e ficou em quarto lugar, atrás de Ferroviário, Horizonte e Ceará. Entre os destaques desta fase, a vitória sobre o Ceará 3 x 1, no dia 08 de março e 5 x 1 no Quixadá no dia 15 de março. O Fortaleza também ganhou o segundo turno e foi decidir a competição novamente com o Icasa.
            Na primeira partida, no dia 01 de maio, no Romeirão vitória tricolor, 2 x 0, gols Osvaldo e Paulo Isidoro. Na partida decisiva, o Leão venceu por 4 x 2. A equipe naquela ocasião era formada por Tiago Cardoso, Vitor, Juninho e Preto, Simão, Dude (Leandro), Erandir, Paulo Isidoro e Márcio Azevedo (Guto), Rômulo e Talison (Osvaldo). Na classificação final, o Fortaleza terminou com 51 pontos, com 14 vitórias, nove empates e cinco derrotas.
         
            Mais uma vez o artilheiro da competição foi do tricolor, Marcelo Nicácio, com 13 gols em 2009. O Campeonato Cearense começou em 10 de janeiro e terminou no dia 03 de maio.
            No primeiro turno, chamado de Taça Estado do Ceará, na primeira fase o tricolor ficou em quarto, atrás de Ceará, Ferroviário e Maranguape, com destaques paras a vitórias de 4 x 1 sobre o Itapipoca, no dia 10 de janeiro e 4 x 0 sobre o Quixadá, no dia 04 de fevereiro. O Ceará acabaria vencendo esse turno.
            Na Taça Cidade de Fortaleza (segundo turno), o Fortaleza terminou em primeiro lugar na primeira fase, a frente Guarany de Sobral, Ferroviário e Boa Viagem.
            Principais destaques para 4 x 2 em cima do Icasa, no dia 11 de março e o mesmo placar venceu o Itapipoca, no dia 28 de março. O turno que acabou ganhando em cima do Guarany de Sobral, com 4 x 1 em Sobral e empate em casa.
            A final daquele ano seria decidida em Clássico Rei. A primeira partida aconteceu, no dia 26 de abril e o Leão venceu por 2 x 1 seu maior rival, o técnico do Fortaleza era Mirandinha.

            Na segunda partida o placar de 1 x 1, gol Marcelo Nicácio para o Leão, que estava escalado com Douglas, Gilmak, Silvio, Edson, Bismarck, Coutinho, (Álvaro), Eusébio, Cleisson, Guto, Wanderley (Sidnei) e Marcelo Nicácio (Luis Carlos).  O Leão terminou aquela competição com 49 pontos, 14 vitórias, sete empates e cinco derrotas, marcando 54 gols.
            
            Com 12 equipes, o Campeonato Cearense de 2010 começou no dia 09 de janeiro e terminou no dia 02 de maio. Junior Cearense do Horizonte com 12 gol foi o artilheiro do torneio.
            Homenageando os anos anteriores, o Fortaleza terminou o primeiro turno em quarto lugar, atrás de Ferroviário, Guarany de Sobral e Horizonte, mas acabou se recuperando e vencendo o turno em cima do time sobralense. Destaque para as vitórias de 4 x 1 no Quixadá e 4 x 0, no Itapipoca, como nos anos anteriores.
            No segundo turno, o tricolor do Pici, nem passou da primeira fase e terminou em sexto lugar, atrás de Ceará, Guarany de Sobral, Horizonte, Crato e Ferroviário, mas se destacou pela vitória em cima do Crato 3 x 1 e 4 x 0 em cima do Boa Viagem. O campeão deste turno foi o Ceará que venceu o Guarany de Sobral por 1 x 0 e conquistou o direito de disputar a final.

            No dia 25 de abril, o Fortaleza venceu o Ceará por 1 x 0 e perdeu no dia 02 de maio por  2 x 1, levando a decisão para os pênaltis. A formação do Fortaleza era de Fabiano, Peter, Leomar, André Turato, Guto, Gilmak, Coquinho, Paulo Isidoro, Bismark (Tatu), Eusébio (Alex Gaibu) e Betinho (Bruno).
                                    Foi fenomenal essa conquista tricolor
           
            Narração e edição: Carlinhos Alves, agradecimento a sua audiência e sua sintonia.
           
            Fonte:
            Bola na aérea: http://www.bolanaarea.com/estaduais_ce_2008.htm







domingo, 23 de abril de 2017

Mirandinha: ex-craque Ferroviário, Fortaleza, Palmeiras e NewCastle



Bom dia, Boa tarde, Boa noite! Meu nome é Carlinhos Alves, direto de Fortaleza chegamos a sua casa, com o FutCearaCast. Um podcast que fala de futebol, de história, de notícias dos clubes, de entrevistas e demais curiosidades do futebol cearense.
Hoje vamos falar sobre a história de Francisco Ernandi de Lima da Silva, conhecido como Mirandinha

       O ano era 1987, o Palmeiras fez a negociação de 500 mil libras e Mirandinha chegaria ao New Castle, seria a primeira vez que um brasileiro disputaria a primeira divisão inglesa e logo um cearense de Chaval, interior do Ceará, que nasceu em 1959.
            Foi nesse período que o craque cearense disputou um amistoso com a camisa da seleção brasileira contra a Inglaterra, no Estádio do Wembley, com um gol dele, que chamou atenção dos Magpies e pode jogar ao lado de feras como Paul Gascoigne e Lee Clark. Foram 67 partidas e 23 gols na equipe inglesa, apesar de terminar a temporada 1987-1988, em oitavo lugar e na temporada um rebaixamento abreviaram a passagem do cearense em terras inglesas.
            Apesar de ter sido revelado pelo Ferroviário, Mirandinha, estreou mesmo profissionalmente com a camisa da Ponte Preta, onde jogou as temporadas de 1978-1979 pela Ponte Preta, Palmeiras 1979-1980, Botafogo 1980-1982, Naútico 1983-1984, Portuguesa 1984-1985, Cruzeiro 1985, voltou a Palmeiras 1986-1987 e 1989-1990 e Corinthians 1991 e Fortaleza também 1991 e 1992 encerrou a carreira pelo Shimizu S- Pulse.
            Mirandinha relembrou sua passagem no juvenil do Ferroviário, quando marcou três gols em cima do Ceará em 1977, jogando no Estádio Presidente Vargas.

            O jogador cearense jogou na base da seleção brasileira e disputou e venceu o pré- olímpico de 1984, e jogou a Copa América de 1987 pela seleção brasileira profissional.
            Com a camisa do Palmeiras ganhou o apelido de Fominha, pois queria resolver tudo sozinho não passava muito à bola aos companheiros. Em 01 de outubro de 1986, o Palmeiras venceu o Botafogo de 2 x 0, com dois gols dele.

            Com a camisa alviverde foram 140 partidas e 61 gols. No Corinthians jogou 12 vezes e fez três gols.
            Em 1991, com a camisa do Leão, Mirandinha foi campeão cearense, com gols importantes.
            Teve aquela virada histórica que você acompanha aqui 4 x 2 Fortaleza em cima do Ceará.
          
                        E depois o jogo do título tricolor, o empate com o rival em 1 x 1.
          
            Depois como treinador, foi campeão cearense de 2009, também pelo Fortaleza e em 2001 tinha sido campeão amazonense de 2001.
            Fechamento de todos os programas:

Narração e edição: Carlinhos Alves, agradecimento a sua audiência e sua sintonia, homenagem ao Lennon cabeleireiro de Chaval, in memorian.

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Babá: ex-jogador cearense com passagens pelo Ceará e Flamengo e Seleção Brasileira


Bom dia, Boa tarde, Boa noite! Meu nome é Carlinhos Alves, direto de Fortaleza chegamos a sua casa, com o FutCearaCast. Um podcast que fala de futebol, de história, de notícias dos clubes, de entrevistas e demais curiosidades do futebol cearense.
Hoje vamos falar sobre a história de Mário Braga Gadelha, o Babá, ex - jogador de futebol.

       Era madrugada do dia 08 de abril de 2010, aos 76 anos no Hospital Geral de Fortaleza (HGF) morria sem causar muita repercussão um dos maiores craques cearense de todos os tempos, que chegou a vestir a camisa da seleção brasileira de futebol.
            Natural de Aracati, o craque cearense, nasceu, no dia 24 de abril de 1934, era atacante e marcou sua passagem no futebol, com as camisas do Ceará Sporting Club, Club de Regatas do Flamengo, Club Universidad Nacional do México.

            Pelo Ceará foi campeão do torneio inicio do Campeonato Cearense de 1952 e 1953. Já no Flamengo conquistou a maioria dos títulos, entre eles, os Campeonatos Cariocas de 1954 e 1955, Torneio Rio São Paulo de 1961 e com o UNAM do México, foi campeão da Copa do México entre 1961 e 1962 e da segunda divisão do México nos mesmos anos.

            Na sua passagem pelo rubronegro carioca, Babá jogou mais de 300 jogos, fez 89 gols e quase chegou a Copa do Mundo de 1958, ficou quase dez anos em terras cariocas.
            Jogou pelo vozão quase 60 partidas. Recebeu o prêmio Belfort Duarte, concedido a jogadores que ficaram mais de 10 anos sem expulsões.
            
            Babá jogou ao lado Gérson, Joel, Henrique Frade e Dida. Ele substitui Zagalo em 1958 que tinha se transferido para o Botafogo. Quando morreu ele estava aposentado da Petrobrás e deixou três filhos e oito netos.
                                                                                     
          
Narração e edição: Carlinhos Alves, abraço a Aracati e seus filhos ilustres: Antero Neto, Jussie Cunha e Kaio Cezar.
           
            Fonte:
            Wikipédia: https://pt.wikipedia.org/wiki/Mario_Braga_Gadelha
            Terceiro Tempo: http://terceirotempo.bol.uol.com.br/que-fim-levou/baba-123




quarta-feira, 12 de abril de 2017

Linguarudos: Ebook com meus textos, agora grátis.

Agora você pode ler crônicas, poesias, contos, reportagens, opiniões e resenhas de filmes e livros, contidos nesse livro. Tudo grátis.