sábado, 17 de junho de 2017

Clássico Rei: O maior derby do futebol cearense


Bom dia, Boa tarde, Boa noite! Meu nome é Carlinhos Alves, direto de Fortaleza chegamos a sua casa, com o FutCearaCast. Um podcast que fala de futebol, de história, de notícias dos clubes, de entrevistas e demais curiosidades do futebol cearense.
Hoje vamos contar a história do Clássico Rei até 2017.
       O último jogo entre Ceará e Fortaleza, foi no dia 22 de janeiro de 2017, na Arena Castelão com 23 mil pessoas e o leão venceu com gol de Gabriel Pereira.
            Já a primeira partida entre os dois maiores adversários do futebol cearense, ocorreu no dia17 de dezembro de 1918, pela antiga Liga Metropolitana Cearense de Futebol e o vozão venceu o Leão por 2 x 0.
            Divididos entre partidas oficiais e amistosas, o Clássico Rei, o derby cearense tem 189 vitórias alvinegras, 171 vitórias do tricolor do Pici e 199 empates, com 767 gols do Ceará e 732 gols do Fortaleza em 559 partidas.
            As partidas oficiais entre Fortaleza e Ceará foram 481, com 157 vitórias do vovô e 148 vitórias do Leão, com 176 empates. Esses jogos foram por torneios nacionais, regionais e estaduais.

            Já os amistosos entre os rivais se deu até a década de 1990 com bastante intensidade como forma de manter as equipes em atividade, porém depois com o calendário brasileiro sempre intenso as partidas foram diminuindo. Foram 78 partidas, Ceará venceu 32, Fortaleza        23, 23 empates, gols do Ceará foram 141 e do Fortaleza 127.
            O Leão só venceu o Vozão em 1922 no quarto confronto e venceu bem por 6 x 3. A maior goleada do Clássico Rei veio em 1927, Fortaleza ganhou por 8 x 0 do Ceará. Em 1955 o Ceará deu o troco e venceu por 7 x 0, em amistoso.
            O Ceará detém o maior número de vitórias seguidas, sete, por duas vezes, em 1951 e 1952 e 1993. O Fortaleza também venceu sete partidas seguidas por duas vezes, entre 1936 e 1938.
            O Clássico Rei decidiu 31 vezes o Campeonato Cearense, 16 disputas ganhas pelo Leão e 15 ganhas pelo Vozão, até 2015.
            Olha! Essa pesquisa 90 % estou vendo no Wikipédia, aqui no FutCearaCast já passamos algumas edições falando sobre esse confronto de acordo com o tema, que falamos, o Tetra do Leão, os Tetras do vozão, jogos de Série A, entre os dois clubes. Se você quiser ouvir esses podcasts, volte nesses programas anteriores que tem narração de gols.
            O Fortaleza foi o que mais permaneceu invicto sem perder Clássico Rei na disputa entre, 17 de julho de 1999 e 8 de julho 2001, com doze vitórias leoninas contra quatro empates.
            Considerando todos os jogos oficiais e amistosos, essa invencibilidade muda de lado e vai para Porangabussu, 16 de outubro de 1949 a 18 de abril de 1953. O Ceará venceu trezes partidas e empatou quatro.
            O maior público pagante foi de 60.363 pessoas em um Clássico Rei de 1991.
            Acessando os arquivos da Verdinha vamos recordar de alguns jogos, por meio de gols narrados pela rádio. Era 2006, o Fortaleza vinha de participação na Série A, uma equipe que contava com Galeano, Preto Casagrande e Finazzi, na fase classificatória tinha goleado o Ceará, por 6 x 3 e 4 x 0. Na final o Ceará venceu as duas partidas por 1 x 0, o time era treinado por Zé Teodoro, gol de Vinicius no segundo jogo.
         Em 2012, o Ceará tinha caído da Série A, era favorito diante do Fortaleza comandado por Nedo Xavier, mas o Leão ganhou a primeira no PV com gol de falta. No segundo jogo decisivo, o gol de foi de cabeça do zagueiro Erivelton.
            Já em 2015, na Arena Castelão, com 30 mil pessoas, o Leão venceu com gol de Maranhão ex-Ceará, que quebrou o tabu de 13 jogos sem vencer o rival.
            O Fortaleza tinha perdido a primeira partida para o Ceará, gol de Willian e Nedo Xavier foi demitido, no seu lugar veio Marcelo Chamusca e o tricolor do Pici venceu de virada o Vozão. Daniel Sobralense foi que fez o gol de empate.

            Esse ano o Ceará tinha sido campeão da Copa do Nordeste, podcast que você ouve aqui no FutCearaCast está em um dos programas anteriores (https://futcearacast.podbean.com/e/ceara-campeao-da-copa-do-nodeste-2015/) e estava o Leão jogando por um empate e começou vencendo, mas nos últimos quinze minutos ouve a virada alvinegra e Cassiano que havia saído do banco de reservas fez o gol do empate, que deu o título ao tricolor do Pici.
            Realmente esse Clássico Rei foi espetacular, eu estava no Mercantil do Montese, com a namorada, acho meu pai e alguns irmãos fazendo compras, mas sem ligar muito para esse jogo e quando eu parei diante de uma tela que estava a venda e passava a partida, vi o gol do Leão, depois a virada histórica alvinegra a espera do penta, mas o Fortaleza fez esse gol no apagar das luzes, mostra como o Clássico Rei é espetacular, brigas as parte, era um derby dos mais disputados.


            Narração e edição: Carlinhos Alves, agradecimento a sua audiência e sua sintonia, abraço
           
           
Fonte:
            Wikipédia: https://pt.wikipedia.org/wiki/Cl%C3%A1ssico-Rei
           








           
           















quinta-feira, 15 de junho de 2017

Bar do Anísio: Casa de Liberdades




                
            Bom dia, Boa tarde, Boa Noite, meu nome é Carlinhos Alves, direto de Fortaleza, com mais uma edição do podcast, O Literato, com resenhas de livros, comentários sobre filmes e séries baseados em literatura escrita, além de entrevistas, de memórias culturais e histórias de músicas e poesias que marcaram todas as épocas.
            No 2° podcast, vamos falar sobre o livro: Bar do Anísio: Casa de Liberdades, da jornalista Isabela Bosi, pela editora UFC, de 2013.

            Todos nós já fomos para algum lugar encontrar amigos, bater papo, deixar o tempo passar, ouvir música, cantar juntos enquanto algum amigo dedilha o violão. Nas minhas memórias estão a Ponte dos Ingleses, aonde a noite eu ia lá com meu irmão, alguns colegas, ou paqueras para ver o chocar das ondas nas pedras e o por do sol. Algumas vezes na infância, acompanhando a minha avó Raimunda, e tios e primos íamos, ao Cais Bar, ouvir chorinho e comer bolinha de peixe.
            Quantos de nós já não fomos para algum bar, ao sair da Universidade, os que eu frequentei nunca me saem da mente, como o Bar do Pedrinho, Bar do Mucambo, Pitombeira, Erivaldo do Frango (Montese), Cantinho Acadêmico, são alguns deles bem movimentados pelos intelectuais e políticos a maioria de esquerda.
            Ai, sempre vinha alguém falando do Bar do Anísio e sem eu me tocar que nem existia mais. Foi quando nesses últimos dias do mês de maio de 2017 chegou a minhas mãos esse livro no formato digital, pois estava disponível para ler no ISSUU. Vinha lendo ele sempre dentro de terminais de ônibus, à noite na volta para casa.
            Pouco mais de 140 páginas, que faz parte do Trabalho de Conclusão do Curso da autora, no Curso de Comunicação Social, da Universidade Federal do Ceará (UFC), um livro reportagem, com orientação de Ronaldo Salgado.
            O Bar do Anísio fechou suas portas em 1985, para dar lugar à modernidade que chegava, onde seria construído o Hotel Scala. Dentro do livro, a fala de Rogaciano Leite sobre esse momento de despedida desse amigo de uma geração: “O Anísio: a história afetiva de uma geração”, “No local, será erguido um novo edifício... um flat moderno de 26 andares e 226 apartamentos...

            A história do livro fala sobre esse Bar do Anísio, que em plena ditadura militar, foi local de encontro de pessoas jovens e questionadoras, como Augusto Borges, Cláudio Pereira, Belchior, Fagner, Fausto Nilo, Sérgio Pinheiro, Ednardo, Rodger de Rogério. Nele foram compostas músicas que marcaram uma época do Pessoal do Ceará, dali surgiu o movimento Massafera, O Bloco de Carnaval Spaia Brasa.
            Anísio Muniz era ascensorista do Hotel Diogo e morava no Parque Araxá, antes tinha morado no Arraial Maria Moura, aquele dos retirantes que vinham do interior e não podiam entrar na cidade. Anísio acabou indo morar na Beira Mar, para ajudar na cura da doença da sua filha Nizia e acabou abrindo uma casa de vendas de comidas que depois virou lugar de venda de cerveja e aos poucos, os universitários foram descobrindo e vindo de vários lugares da capital.
            A autora fala na página 13: “Não sei como era seu jeito de andar, ou de falar. Não posso afirmar com segurança o que o sorriso dele passava... minhas lembranças não incluem essa figura singular da boemia cearense. Ou melhor, não incluíam até eu iniciar esse livro...
            Gilmar de Carvalho que escreve o prefácio do livro diz, que: “O acaso joga um papel importante. Foi assim que nasceu o Bar do Anísio. A família foi para a praia em busca de saúde. O bar nasceu para servir cervejinhas para os amigos. As comidas eram os petiscos que sua esposa fazia. Filhos e filhas atendiam a mesa. Em tempos que antecipavam planejamento, marketing e design, o Bar do Anísio tinha tudo para dar errado, mas deu certo”.

            Isabela Bosi é carioca, 28 anos, em 2017, voltou à cidade maravilhosa para fazer mestrado em Memória Social, antes de ir, em 2013/2014 fez parte do Projeto Pra Você, que deixava cartas em pontos de ônibus, praças e vários locais da cidade de Fortaleza, onde desconhecidos liam e se emocionavam.
            Hoje são poucos os lugares que em Fortaleza o dono do bar é amigo do frequentador e as pessoas se sentem amigas uma das outras, ainda existem, mas são pouquíssimos.

            Agradecimentos a toda audiência deste podcast. Edição e narração Carlinhos Alves, na busca por desbravar o mundo imaginário, às vezes real e duro e às vezes poético e belo, abraço e até uma próxima vez.
           

            

sábado, 10 de junho de 2017

Clodoaldo: Craque e ídolo de duas torcidas cearenses


Bom dia, Boa tarde, Boa noite! Meu nome é Carlinhos Alves, direto de Fortaleza chegamos a sua casa, com o FutCearaCast. Um podcast que fala de futebol, de história, de notícias dos clubes, de entrevistas e demais curiosidades do futebol cearense.
Hoje vamos sobre Clodoaldo craque polêmico fora de campo e craque dentro de campo.

       No dia 10 de março de 2017, Francisco Clodoaldo Chagas Ferreira deixou a cadeia de Ipu, após amigos arrecadarem R$ 20 mil para pagar pensão alimentícia. O valor que o ex-jogador devia era de R$ 52 mil, mas o acordo feito com a mãe da criança o permitiu sair.
            Polêmico fora de campo, o baixinho Clodoaldo foi um dos últimos grandes gênios do futebol cearense. Com rara visão de jogo, ele colocava a bola onde queria, com passes magistrais, dribles únicos. Ele surgiu no Maracanã, mas o clube por qual se destacou foi o Fortaleza Esporte Clube, a sua estréia foi no dia 13 de janeiro de 2002, contra o Itapajé e marcou dois gols.
            Foram anos importantes na Série A com a camisa tricolor e gols como o que fez em cima de Rogério Ceni. Fora campeão cearense sete vezes (cinco vezes pelo Leão e duas pelo vozão), artilheiro do Campeonato Cearense com 23 gols em 2001 e 29 gols em 2003. Com a camisa do Leão ao todo são 126 gols.

            Em 2006 depois de ser preterido pela diretoria do Leão, o jogador se transfere para o rival Ceará, quando na época foi uma grande polêmica, pois o baixinho tinha acertado um pré-contrato com o Fortaleza, houve a confusão na justiça, mas o jogador acabou mesmo ficando no alvinegro de Porangabussu.

            Clodoaldo se destacou ainda no Juazeirense, Guarany de Sobral, Treze, onde acabou sendo dispensando ao aparecer na concentração embriagado, já sofreu acidente na saída de uma casa de forró. Chegou a ser preso no Ituano, por não pagar pensão alimentícia.
            
            Em 2015, Clodoaldo chega ao Ferroviário para as disputas da Taça Fares Lopes. Apesar de não seguir por muito tempo no Tubarão da Barra, o baixinho foi destaque em jogo treino pela equipe, contra o Damas, equipe amadora, ao lado de Rinaldo no ataque, o baixinho deixou o dele na vitória por três a zero.
           
            Depois houve diversas tentativas de volta a jogar profissionalmente, mas a vida extra-campo atrapalhou o ídolo cearense, que foi dispensando do Quixadá, Novas Russas, no ano de 2017, chegou a ser contratado pelo Guarany de Sobral, para as disputas do estadual cearense, mas a indisciplina o deixou de fora novamente.
            Quem ver o craque falar ver sua inocência e humildade, eu o vi jogando algumas vezes e sabia demais, seu futebol parecia muito com Ronaldinho Gaucho. Era demais vê-lo jogar, que triste que ele seguiu esse caminho que tantos outros seguiram como Garrincha, e tantos outros.
            As últimas notícias que o FutCearaCast teve dele foi que em 05 de junho de 2017, foi que existia um pedido de prisão contra ele novamente por não pagar pensão alimentícia.
            Narração e edição: Carlinhos Alves, agradecimento a sua audiência e sua sintonia, abraço
           
           
Fonte:











           
           















sexta-feira, 2 de junho de 2017

Ceará Sporting Club: Tetra do Campeonato Cearense (1996-1999)


Bom dia, Boa tarde, Boa noite! Meu nome é Carlinhos Alves, direto de Fortaleza chegamos a sua casa, com o FutCearaCast. Um podcast que fala de futebol, de história, de notícias dos clubes, de entrevistas e demais curiosidades do futebol cearense.
Hoje vamos contar a história do terceiro Tetra do alvinegro de Porangabussu, que ocorreu de 1996 a 1999
       Era 20 de janeiro de 1996, duas jovens da cidade de Varginha (MG) relatam terem visto um extraterrestre, o caso ficou conhecido como o E.T de Varginha. O tempo era do programa do Gugu Liberato do SBT e nele ficávamos informados sobre tudo, inclusive sobre a morte dos Mamonas Assassinas em acidente aéreo na Serra da Cantareira, no dia 02 de março.

            Com 16 participantes, o Campeonato Cearense de 1996, teve como artilheiro Pintinho com 22 gols. O Ceará Sporting Club estrearia no dia 11 de fevereiro, e aplicou uma goleada por 6 x 2 diante do América. Também venceu o Calouros do Ar, por 7 x 0. Eram quatro grupos de quatro participantes, cada um. O vozão venceu o primeiro turno nos pênaltis em cima do Fortaleza. No segundo turno, o vovô também venceu, a final por 2 x 1 contra o Itapipoca, os principais triunfos alvinegros foram sobre o Esporte, por 4 x 1, 5 x 0 América e 3 x 0, Guarany de Sobral.
            No terceiro turno, o Ferroviário venceu por 3 x 1, o Quixadá na final e se credenciou a pegar o Ceará na final do campeonato.
            No dia 04 de agosto, o Ceará perdeu de 1 x 0 para o Ferroviário, depois houve empate na segunda partida por 0 x 0, na partida final, no dia 18 de agosto, o alvinegro de Porangabussu venceu por 2 x 1, a equipe campeã foi formada por Ivanoé, Jaime, Pintinho, Rômulo, Airton, Damião, Luciano,Aldemir e Chico. Ronaldo Salviano, Sérgio Alves, Stênio, Márcio Alan, Solimar, Claudemir e Betinho.

            Ano de 1997, foi marcado pela música, com É o Tchan, e seus sucessos, “Bambolê”, “Ralando o Tchan”, Só Para Contrariar (SPC) e os htis “Mineirinho” e “Depois do Prazer”. Outro sucesso que estorou foi Charles Brown Jr. Quer Mais? Então vamos lá, foi também o lançamento do Acústico MTV do Titãs, com clássicos como “Marvin” e “Flores” e por aí vai, com Hanson e Spice Girls.

            O Campeonato Cearense de 1997 teve o Sandro Gaúcho como artilheiro com 39 gols. O torneio foi dividido em dois turnos, no primeiro o Fortaleza, foi campeão pela melhor campanha no quadrangular final. Entre os principais êxitos do Ceará foi 6 x 0 sobre Guarani de Juazeiro e 3 x 0 sobre o Uruburetama e 6 x 0, sobre o Iguatu.
            No segundo, o Ceará foi campeão quando venceu por 1 x 0, o Icasa. Na final contra o Fortaleza foram dois empates, 0x 0, 2 x 2 e o vozão venceu por 1 x 0 na prorrogação. A formação alvinegra era composta por Marcos, Jaime, Airton, Mário César e Reginaldo, Fernando César, Gilberto Gaúcho (Adenilton), Bechara e Dema; Márcio Alan (Batistinha) (Nildo) e Stênio, técnico Marcelo Vilar.
            Em 1998, ano que a França derrotou o Brasil na final da Copa do Mundo por 3 x 0, foi também o ano da criação da Lei Pelé, que estabelecia novas regras para o futebol. Em 04 de outubro FHC foi reeleito presidente, depois da polêmica história da compra de votos da emenda de reeleição.
            Com 10 equipes o Campeonato Cearense, teve Rômulo como artilheiro, com 15 gols. No primeiro turno o Ceará venceu nos pênaltis o Ferroviário. Entre as principais vitórias se destacam, o 4 x 0 sobre o Tiradentes e 5 x 0 no Calouros do Ar.
            No segundo turno, o Ferroviário foi campeão, em cima do Ceará na prorrogação, apesar da derrota o vozão venceu 6 x 3, o Guarany de Sobral. Nas finais do campeonato, depois de vencer, o Ferroviário por 4 x 0, no primeiro jogo, perdeu o segundo por 2 x 1, e na prorrogação venceu por 1 x 0, se tornando tricampeão.
            Em 1999, é aberto o impeachment de Bill Clinton, nos EUA. No Brasil, o filme Central do Brasil de Walter Salles vence o Globo de Ouro, como melhor filme estrangeiro. Francisco de Assis Pereira, conhecido como “Maníaco do Parque” é condenado há 121 anos, pela morte dez mulheres em São Paulo.
            Com 10 equipes e Eron com 24 gols como artilheiro, o Campeonato Cearense de 1999, teve três turnos. No primeiro turno o vozão venceu o leão na final nos pênaltis por 3 x 2. As principais vitórias foram 3 x 1 sobre o Uniclinic e 2 x 0 em cima do Tiradentes. No segundo turno, Juazeiro foi campeão em cima do Ceará. As vitórias alvinegras foram 4 x 1 diante do Uruburetama e 2 x 0 sobre o Fortaleza. No terceiro turno, o vozão ganhou em cima do Leão, mas levou uma goleada de 7 x 2. Os destaques do Ceará foram, 4 x 2 contra o Quixadá, 5 x 2, em cima do Itapipoca, 4 x 0 contra o Esporte e 5 x 0 diante do Juazeiro.
            Na final do campeonato, no dia 21 de julho, contra o Juazeiro, o 0 x 0 deu o Tetra ao Ceará Sporting Club.
            Naquela decisão, o vozão contou com Jéferson, Erivelton, Alexandre Dorta, João Marcelo, Airton, Adãozinho, Sandro Sotily, Júnior Amorim, Gilmar, Jaime e Paulo César.
            Narração e edição: Carlinhos Alves, agradecimento a sua audiência e sua sintonia, abraço
           
            Fonte:

            Site do Vozão: https://cearascpedia.wordpress.com/campeoes-pelo-vozao/












           
           















quarta-feira, 31 de maio de 2017

Artes da Tradição: Mestres do Povo: podcast:O Literato (episódio 1)


.
                
            Bom dia, Boa tarde, Boa Noite, meu nome é Carlinhos Alves, direto de Fortaleza, com mais uma edição do podcast, O Literato, com resenhas de livros, comentários sobre filmes e séries baseados em literatura escrita, além de entrevistas, de memórias culturais e histórias de músicas e poesias que marcaram todas as épocas.
            Na 1° edição, vamos falar sobre o livro Artes da Tradição: Mestres do Povo, escrito por Gilmar de Carvalho e fotografia de Francisco Sousa.
            Nos últimos tempos têm surgido na TV, diversos programas jornalísticos com reportagens especiais, que saem do tradicional, do lead da notícia, da pirâmide invertida e entram na atmosfera de ser mais uma vivência do repórter, no meio da história que ele está contando, nesse caso, os exemplos se multiplicam, eu cito aqui, no Ceará, o quadro Nosso Ceará, feito pelo jornalista Rodrigo Vargas, que mostra personagens inusitados. A TV Record faz muito isso e um dos destaques foi de Renata Alves, vencedora do prêmio BNB de Jornalismo de 2005, que viajou o Brasil mostrando pessoas e casos curiosos.
            O livro Mestres do Povo reúne 50 reportagens, que foram veiculadas, por Gilmar de Carvalho em 2003, no Jornal Diário do Nordeste. De acordo com o professor e mestre em Comunicação Social, “foram mais de 20 mil quilômetros rodados em ônibus, carroceria de D-10, topics, moto-táxis e alguns no Fiat Uno Mile, vermelho, de 1996”.
            A obra fala sobre gastronomia, em Viçosa do Ceará, com Alfredo e dona Teresinha, alfenis de dona Socorro, queijada de Roberto e Lenilse e Raimundo dos Queijos. Foi ouvir a sanfona de Chico Paes, as rabecas de Antônio Hortênsio, José Oliveira e Raimundo Veríssimo. Nessas viagens ele encontrou ainda no caminho, “os pifes” de Raimundo Aniceto e seu Alfredo.
            São diversas histórias de gente popular, que o próprio autor diz seguir algumas indicações e pistas: “Umas pessoas indicavam outras, ouvíamos nossas intuições e assim foi possível tecer esta trama de textos e imagens”.
            Passou por São Gonçalo e viu a dança de Miraíma, reisado do Panteca em Sobral, lapinha de dona Tataí, o coco e a caninha verde do litoral e viola de João Alexandre. Teve o maracatu de Zé Rainha, a pomba gira da dona Neide, o pajé Barbosa, o tucum de dona Do Carmo.
            No prefácio do livro, Luís Humberto Marcos, comenta que o trabalho, “trata-se de uma escrita clara, não rebuscada, e que, com observação cirúrgica, apresenta os elementos essenciais caracterizados de cada situação e personagem. A força narrativa torna quase presentes as personagens e recantos de cada estória... ouve-se a rainha vaqueira, sente-se o cheiro da paçoca de dona Djanira... ouvem-se histórias de cordel...”
            Para quem não conhece, Gilmar de Carvalho é professor do Curso de Comunicação Social da UFC. Conhecido pela publicação do perfil de Patativa do Assaré, do poeta Manoel Caboclo e do violeiro Neco Martins e também do livro o Ceará de Ednardo. Quem acompanha as notícias culturais dos jornais do Ceará sempre o vê comentando sobre a visão da cultura popular. Ele é figura presente em documentários da TV Ceará e TV Assembleia comentando sobre essa visão cultural da sociedade cearense.
Gilmar de Carvalho

            Já o fotógrafo Francisco Sousa é de Santarém (PA) e filho de imigrantes cearenses, que escaparam da seca em 1958. É guia de turismo nacional. Você quando puder ter acesso ao livro, vai poder ver as imagens, desse artista, que também é formado em filosofia.           
            As estórias dos homens e mulheres que constroem a arte e a culinária cearense passam por Limoeiro do Norte para conhecer o barro de Braúnas, ou mesmo para visualizar as máscaras heráldicas de Cícera Fonseca.
            É tempo de descoberta da nossa cultura e entrar nesse universo, pela escrita de Gilmar, que nos trás memórias afetivas, de tempos remotos, como nos apitos eróticos de Zé Celestino, os bonecos de Wagner de Ocara. Eu achei impressionante a rainha vaqueira de Canindé e a Pharmacia Iracema, que com mais de cem anos está ainda em atividade.
            Artes da Tradição: Mestres do Povo tem sua edição pela UFC/UECE, editora Leo, em 2005, ele é uma ótima oportunidade para conhecer os talentos locais, que muitas vezes não são reconhecidos pelo poder público.
            Agradecimentos a toda audiência deste podcast. Edição e narração Carlinhos Alves, na busca por desbravar o mundo imaginário, às vezes real e duro e às vezes poético e belo, abraço e até uma próxima vez.
           

            

domingo, 28 de maio de 2017

Iguatu: Campeão do Campeonato Cearense (Série B) 2017


Bom dia, Boa tarde, Boa noite! Meu nome é Carlinhos Alves, direto de Fortaleza chegamos a sua casa, com o FutCearaCast. Um podcast que fala de futebol, de história, de notícias dos clubes, de entrevistas e demais curiosidades do futebol cearense.
Hoje vamos falar sobre a campanha da Associação Desportiva de Iguatu na conquista da Série B cearense e o acesso a primeira divisão.

       No dia 20 de maio de 2017, cinco mil pessoas lotaram o Estádio Morenão para assistir a final do Campeonato Cearense da segunda divisão, entre Iguatu e Floresta. Pouco importava naquela tarde quem vencesse, pois as duas equipes estavam classificadas para a primeira divisão cearense em 2018.
            Na primeira fase, da competição que contava com sete equipes, que se enfrentaram em seis partidas, se classificaram Floresta com 13 pontos, seguido por Maracanã, com 13 pontos e Iguatu, 12 pontos, o Aliança fechou o grupo das equipes que foram a fase seguinte, com 8 pontos.
            O Iguatu estreou no dia 18 de março diante da sua torcida e venceu o Tianguá por 1 x 0, com gol de Anderson Renan (Peixe). O técnico ainda era Jorge Pinheiro. Na segunda rodada, o Iguatu foi até Horizonte e enfrentou o Floresta no Domingão e saiu derrotado por 2 x 1. Para o Floresta marcaram Paulo Vyctor duas vezes e para o Azulão, João Luis.
            Na terceira rodada da primeira fase, no dia 01/04, novamente no Morenão, em casa, o Iguatu perdeu, por 1 x 0 para o Aliança, gol de Leandro.
            A equipe iguatuense contava com caras conhecidas no elenco, como Juranilson, Canga, Elanardo e Ribinha.
            Na rodada seguinte chegou o Michel, volante que passou pelo Ceará, Vitória (BA) e recentemente Tiradentes e foi disputar a Série D, no Guarany de Sobral. No comando técnico assumiu Roberto Carlos, ex-jogador e experiente treinador que teve bastante destaque no Horizonte.
            E logo na estréia sobre seu comando em casa, no dia 15 de abril, o Iguatu voltou a vencer uma partida, dessa vez sobre o Esporte, 2 x 0, gols de Otacílio e Otacílio Neto.
            Depois novamente em casa, venceu em casa, no dia 22/04, dessa vez, o Maracanã, por 4 x 2. Para o Iguatu, Otacílio Neto marcou três vezes e Canga completou para o Azulão. Já os gols do time da Região Metropolitana de Fortaleza, Willian e Albano.
            Na rodada final da primeira fase, o Iguatu foi a Juazeiro do Norte, terra do Padre Cícero e venceu o Icasa por 4 x 1, gols de Anderson (Contra), Otácilio, Alef e Emerson, descontou para o clube da Região do Cariri, Luis Carlos, o Imperador, ex-Ceará, Fortaleza e Guarany de Sobral.
            Na segunda fase, o Floresta venceu o Aliança por 4 x 0 e empatou 1 x 1 com a mesma equipe e se classificou para a final.
            O Iguatu, no dia 06/05 no Morenão, venceu o Maracanã por 2 x 1, gols de Caio Andrade e Otacílio e descontou para o clube de Maracanaú, Rennan. Na partida de volta, no dia 14/05, no Estádio Domingão em Horizonte, o Azulão não tomou conhecimento do adversário e venceu em uma sonora goleada, por 4 x 0, gols de Otacílio (2), Otacílio Neto e Ciro.
            A final aconteceu no dia 20 de maio, a festa estava pronta para depois do jogo e a equipe de Iguatu estava preparada, com Rafael, Emerson, Ciro, José, Michel, Elves, Wilton, Elanardo, Otacílio, Otacílio Neto e Caio Andrade, já o Floresta sobre o comando de Raimundo Wagner, foi escalado com David, Rene, Cláudio, Marlon, Iago, José Carlos, Cássio, Bruno, Edson, Gustavo e Paulo Vyctor. O gol de Otacílio veio aos 17 minutos do segundo tempo. Iguatu campeão da Série B do Campeonato Cearense.

No dia 23 de maio, o vereador Diego Felipe apresentou na Câmara Municipal de Iguatu, um pedido, para que, o técnico Roberto Carlos, recebesse o título de cidadania iguatuense.
            Narração e edição: Carlinhos Alves, agradecimento a sua audiência e sua sintonia, abraço Evaldo Gouveia, Chica Duarte, Gilcilânio Duarte, Alex Santana, in memorian Humberto Teixeira e Eleazar de Carvalho.
           
            Fonte:
            Iguatu.net: http://www.iguatu.net/indexSite.htm





           
           















quinta-feira, 18 de maio de 2017

Iarley: andarilho bi-campeão do futebol mundial de clubes


Bom dia, Boa tarde, Boa noite! Meu nome é Carlinhos Alves, direto de Fortaleza chegamos a sua casa, com o FutCearaCast. Um podcast que fala de futebol, de história, de notícias dos clubes, de entrevistas e demais curiosidades do futebol cearense.
Hoje vamos falar sobre a carreira de Iarley

       No dia 24 de abril de 2003, diante de 40 mil pessoas presentes em La Bombonera, o gol de Iarley daria a vitória do Paysandu por 1 x 0 diante do Boca Juniores pela Libertadores. A equipe argentina contava com jogadores como Ibarra, Burdisso e Carlito Tevez.

            Pedro Iarley Lima Dantas nascia em 29 de março de 1974, em Quixeramobim, sertão central do Ceará. Daquele lugar sairia para jogar as categorias de base do Ferroviário, ainda uma temporada em 1995 pelo Quixadá e foi depois para o Real Madrid (B), onde ficou durante duas temporadas.
            Jogou pelo Celta B e pelo Melilla, antes de retornar ao Brasil em 2000 para atuar pelo Uniclinic. Até ser contratado pelo seu time de coração, o Ceará Sporting Club, em 2001, quando formou um ataque forte com Sérgio Alves e Mota e no ano seguinte seria campeão do Campeonato Cearense.
            Mas foi no Paysandu na Copa Libertadores de 2003, que despontou para o futebol, quando fez gol no Boca e depois fora contratado pela equipe argentina, onde disputaria duas temporadas, sendo inclusive campeão do Mundial de Clubes de 2003.
            Com diversas contusões, o Boca Juniores vendeu Iarley ao Dorados do México, onde ele fez cinco gols, no mesmo ano de 2005, depois foi contratado pelo Internacional, onde passaria três temporadas e conquistaria mais um Mundial de Clubes.

            No Goiás Iarley atuou duas vezes em 2008 e depois em 2011, quando jogou mais de 100 jogos com a camisa do time alviverde. Na primeira passagem foi, campeão goiano em 2009, sendo artilheiro pelo Goiás com 12 gols. E foi campeão da Série B em 2011, marcando o gol do título.

                      Em 2010 com a camisa do Corinthians Iarley joga mais uma Libertadores.

          
            Em 2011, Iarley voltaria ao Ceará Sporting Club, para ser campeão cearense e disputar alguns jogos pela Série A pela equipe alvinegra.
          

            Em 2013 Iarley voltou ainda para o Paysandu, mas acabou não tendo mesmo sucesso de outras épocas e veio ao Ferroviário onde acabou rebaixado no Campeonato Cearense e em 2014 se aposentou dos gramados.  Foi contratado pelo Internacional em 2016 para dirigir as categorias de base.
            O jogador que passou ainda pela seleção brasileira, convocado por Dunga, mas não chegou a jogar, tem entre os principais títulos Campeão Paraense 2013, Taça Libertadores de 2006 e Campeonato Gaúcho de 2008.
           
            Narração e edição: Carlinhos Alves, agradecimento a sua audiência e sua sintonia, abraço
           
            Fonte:
           

            Wikipédia: https://pt.wikipedia.org/wiki/Iarley















terça-feira, 16 de maio de 2017

Pautando a Bola: Jornal do Comércio do Ceará (Abril)

Edição que eu escrevi trouxe matérias sobre: as campanhas do tricolor do Pici, nos vice-campeonatos da taça Brasil em 1960 e 1968; além dos títulos do Ceará no Norte- Nordeste de 1964-1969 e a história Mário Braga Gadelha, o Babá. 

domingo, 14 de maio de 2017

Nossa mídia brasileira jaz em trevas

Manipulação do Jornal Nacional repete 1989 e edita “debate” Lula x Moro
                 Era 1989 e as eleições estavam acirradas para presidente e o segundo turno o então ex- metalúrgico Luis Inácio Lula da Silva enfrentava o então caçador de Marajás, Fernando Collor de Melo. Enquanto Lula liderava e tinha tudo para ser eleito presidente, a mídia brasileira começava a manipular e mexer os pauzinhos para impedir o petista de vencer a disputa.

                 O estopim de tudo se deu no último debate entre os dois presidenciáveis, como a maioria das pessoas via os melhores momentos no Jornal Nacional, houve uma edição, com o objetivo de depreciar a imagem do barbudo e elevar a imagem do alagoano.
                 Isso quem mesmo confessou, foi Boni, um ex-chefão da Globo. Primeiro a emissora dos Marinhos preparou Collor, ajeitou a gravata dele, tirando ela, para ele parecer mais populista. E então o diretor sagaz fez pior, ele colocou pastas vazias na mão de Fernando, mas que na época se pensava conter denúncias contra Lula, o que deixou o ex-metalúrgico em pânico e tenso, o prejudicando no desempenho do debate. As imagens depois mostradas no Jornal Nacional traziam Lula suando e Collor tranquilo, o que influenciou na votação alguns dias depois como todos sabem.
                 A Globo como sempre, agora em 2017, agiu. Para quem acompanhou partes do depoimento de Lula a Sérgio Moro, na quinta-feira no âmbito da Operação Lava Jato, disponíveis logo em seguida no mesmo dia em canais do You Tube, pode ver momentos de tensão nas perguntas do juiz, que muitas vezes fugiu do “corpo” da acusação, que se restringia ao Triplex do Guarujá, procuradores perguntaram sobre nomeação na Petrobrás quando Lula era então presidente, fato questionado pela defesa do ex-presidente.
                 A Carta Capital trouxe uma explicação da edição do Jornal Nacional, que geralmente em sua edição diária gasta 30 minutos, teve uma exibição não habitual de 53 minutos e 18 segundos, 42 minutos e 32, foram gastos com matéria sobre Lula, ou seja, 80% do Jornal.
                 A matéria começa com Bonner mostrando a fala de Moro dizendo que ele não tinha nada contra Lula. Depois mostra Lula negando a responder perguntas sobre o sítio de Atibaia e Moro dando uma repreensão a Cristiano Zanin, advogado de defesa de Lula.
                 Vasconcelos, fala que Lula se contradisse, ao dizer que recebeu Léo Pinheiro e Paulo Gordilho em sua casa para discutir reforma do sítio que ele insiste não ser dele. Lula aparece atacando o MP, por induzir as testemunhas a acusá-lo sem provas.
                 A edição do Jornal Nacional mostra Lula negando que seja dono do Triplex e Moro confrontando o ex-presidente com a afirmação do ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro, uma desqualificação dos argumentos de Lula e a fala de Moro como corajoso.
                 Sobre as nomeações da Petrobrás, Willian Bonner, aparece com um tom de voz irônico, como que indicando que Lula estava mentindo. E por aí continua a edição do principal jornal da TV Globo. Quem saiu às ruas para conversa com as pessoas depois dessa exibição pode constatar as pessoas com ódio na fala contra Lula, um ódio já habitual, mas agora com o argumento de que Moro deu um baile no ex-presidente e colocou-o nas cordas. Ai vem à pergunta, como você sabe disso meu camarada?

                 Eu perguntei a um policial militar, meu colega, que disse que Lula perdeu e descreveu fidedignamente, como tinha passado no Jornal Nacional, dava para ver que ele tinha assistido o noticiário pela Globo.
                 Depois vieram a repercussão geral da mídia, sendo contraria a Lula. No próprio O Globo, o prefeito de São Paulo, João Dória (PSDB) aparece dizendo que o depoimento de Lula é lamentável e chama o ex-presidente de ator e mentiroso. Outra fala repercutida foi do procurador da Lava Jato, Carlos Fernando Lima dizendo que foi um tanto triste o Lula falar sobre sua ex-esposa a responsabilizando pelo desejo de adquirir o Triplex, pois não estava lá para se defender.
                 Eu vi a fala de Lula sobre Marisa e não havia tom de Lula em querer jogar a culpa na sua mulher, já falecida, pelo contrário ele apenas narrou os fatos como aconteceu e que Marisa, queria comprar o imóvel, mas no fim desistiu. Pior, foi a “Lojas Marisa” que em campanha do Dia das Mães ironizou a ex-primeira dama. “Sua mãe ficar sem presente, a culpa não é da Marisa”.
                 Enquanto dentro do nosso Brasil a manipulação da Globo atingiu a massa odiosa e desinformada, a mídia estrangeira repercutiu de outra forma. O britânico The Guardian mostra que Lula condenou a perseguição a que está sendo submetido. O repórter Dom Philipps destaca o esquema de segurança forte em Curitiba e milhares de simpatizantes no comício de Lula, logo após o depoimento.
                 No Le Monde, a correspondente Claire Gatinois falou que Lula foi combativo e que se disse vitima de caçada judicial. Na Reuters, mostra o juiz dizendo que faria perguntas difíceis e que Lula disse “Não há perguntas difíceis, senhor. Quando se fala a verdade”.
                 Eu sugiro a você que quer saber como foi realmente o depoimento de Lula completo, que acompanhe na integra, para tirar suas próprias conclusões e não seja manipulado pela Globo, seja inteligente estude, vá atrás de outras fontes.
                 O nosso jornalismo é feito pelas elites e para se manter no poder ela faz de tudo. A Operação Lava Jato que há pouco mostrou uma lista recheada de políticos importantes como beneficiários de propina. Do PSDB, Aécio Neves, José Serra, Alckmin, Anastácia, do PMDB, Romero Júca, Eunício Oliveira, Temer, outros, mas você como a mídia só liga para o PT e Lula.

                 A corrupção endêmica se alastrou por todos os partidos e Moro e seus aliados, só se preocupam com caixa 2 para o PT, mas já foi provado, que caixa 2 atingiu, todos os partidos e que foi um meio de propina que as empresas, principalmente a Odebrecht viu, para ter benefícios de tocar obras públicas.

Veja Mais:


Lula e o massacre do Jornal Nacional